Entre para seguir isso  
Seguidores 0
MIS

Supercompactos evoluem lá fora e ficam longe do Brasil

3 posts neste tópico

Supercompactos evoluem lá fora e ficam longe do Brasil; veja o que perdemos  - http://carros.uol.com.br/noticias/redacao/2017/01/10/supercompactos-evoluem-la-fora-e-ficam-longe-do-brasil-veja-o-que-perdemos.htm

Novas gerações de modelos conhecidos se afastam do país; conheça

Apesar de plataformas globais, novas tecnologias fazem alguns modelos, sobretudo hatches compactos premium, ficarem equipados e caros demais para o atual cenário do mercado brasileiro.

As marcas preferem apostar em SUVs, que passam por ótima fase e estão "bombando" em vendas, e/ou em modelos maiores, que sempre trazem maior rentabilidade.

O novo Ford Fiesta é a nova vítima dessa lógica complicada de mercado. Maior e mais moderno, avançou tanto em tamanho e tecnologia que ficou perigosamente próximo ao Focus. Com isso, a Ford brasileira optou por descartá-lo, ao menos por enquanto, já que o modelo feito no Brasil "atende perfeitamente às exigências do consumidor brasileiro".

"É uma nova estratégia global e o Fiesta ficou longe das características atuais. É por isso que não vai", assumiram executivos ligados à Ford durante a apresentação do modelo no Salão de Detroit.

Vale lembrar que o Ka vendido no Brasil, feito em Camaçari (BA) já ocupa uma posição (em tamanho e preço) que era do próprio Fiesta há alguns anos atrás -- e vai crescer e ganhar mais versões, em breve, com a decisão de assumir esse papel. Quem perde com isso é o consumidor, que acaba ficando com menos opções.

Mas este não é um problema só da Ford. Ele também se estende por várias outras fabricantes, que se veem obrigadas a descartar carros interessantes apresentados em Salões pelo mundo por conta do atual cenário brasileiro. Abaixo, elencamos sete deles.

1. Novo Ford Fiesta

Patrik Stollarz/AFPpinit_fg_en_rect_red_28.png
 
imagem: Patrik Stollarz/AFP
Nova geração do hatch da Ford, apresentada no Salão de Detroit, ganhou em tamanho e refino, recebeu diversas tecnologias de ponta, principalmente no interior, e ficou muito próxima do Focus, que mudou no Brasil em 2015. Com isso, por ora está descartada -- quem ganha espaço com isso é o Ka, com novas versões, cada vez mais caras. O Fiesta atual, feito em São Bernardo do Campo (SP), deve ser reajustado para se manter competitivo, mas a produção deve sofrer quedas de volume.
 

2. Renault Clio 4

Christian Hartmann/Reuterspinit_fg_en_rect_red_28.png
 
imagem: Christian Hartmann/Reuters

Na Europa, o Captur -- que no Brasil vai utilizar a base do Duster -- é feito sobre a plataforma do Clio 4, hatch que desde 2012, quando foi apresentado, tem feito sucesso nas vendas. Além de ser um dos responsáveis por estrear o atual DNA estético da Renault, o modelo é recheado de tecnologia. Oferece motores modernos (de 0,9 e 1,2 litro, ambos com três cilindros e turbocompressor), visual fluido e musculoso e interior de primeira. Por aqui, a Renault explora a ampla linha de versões do Sandero.

3. Novo Fiat 500

Murilo Góes/UOLpinit_fg_en_rect_red_28.png
 
imagem: Murilo Góes/UOL
As mudanças no carrinho são praticamente imperceptíveis, pois não há alteração no tamanho e o estilo clássico, baseado no carro vendido durante os anos 1950, foi mantido. Mas o novo 500 subiu de nível: recebeu novos motores, menores e mais modernos, e ganhou interior remodelado, com sistema de entretenimento Uconnect totalmente novo, que pode ser controlado por uma nova tela colorida de cinco polegadas no console). A Fiat afirma que foram mais de 1.800 mudanças foram feitas no design. Por aqui, continuamos com o modelo anterior, importado do México.
 

4. Peugeot 308 europeu

Murilo Góes/UOLpinit_fg_en_rect_red_28.png
 
imagem: Murilo Góes/UOL
O design invocado e agressivo da nova geração do 308 causou repercussão quando surgiu, no Salão de Frankfurt de 2013. O carro era arrebatador: bonito, elegante e cheio de tecnologia. A filial brasileira recebeu diversas perguntas sobre quando ele seria vendido no Brasil. Até agora, o máximo que conseguiram foi uma "clonagem" feita sobre a atual geração, que é importada da Argentina para o Brasil. Ainda não há planos para o modelo europeu, infelizmente.
 

5. Volkswagen Polo

Divulgaçãopinit_fg_en_rect_red_28.png
 
imagem: Divulgação
Com a ascensão de status do Fox e de todos os demais hatches da Volkswagen, além da nacionalização do Golf, o Polo foi um dos modelos sacrificados. Faltou espaço para o modelo no Brasil, que segue fazendo sucesso na Europa e em outros países no qual ainda é vendido. Em final de ciclo (a sexta e atual geração deve dar lugar em breve à sétima, já feita sobre a plataforma MQB, em 2018), o Polo europeu oferece desde as versões de entrada, que custa a partir de 13 mil euros, motores pequenos e eficientes (com turbo e injeção direta), sistema multimídia com conectividade para smartphones (via CarPlay, Android Auto e MirroLink) e conexão com Spotify e Skype.
 

6. Novo Citroën C3

Murilo Góes/UOLpinit_fg_en_rect_red_28.png
 
imagem: Murilo Góes/UOL

No último Salão de Paris a Citroën revolucionou ao apresentar um C3 totalmente descolado, com bolhas na carroceria (tal qual o C4 Cactus) e tamanho imponente. Ficou tão tecnológico e interessante que... passou dos limites para o Brasil -- por aqui, a marca foi outra a seguir a tendência ao apostar em um SUV. Na ocasião, Carlos Gomes, presidente do grupo PSA para a América Latina, explicou a decisão."Nosso C3 está alinhado ao que é oferecido no país e os custos não justificariam a mudança. Temos um plano para seguir atualizando nossos produtos até 2021", disse. Uma pena.

7. Nissan March 5

Benoit Tessier/Reuterspinit_fg_en_rect_red_28.png
 
imagem: Benoit Tessier/Reuters

 

Apresentada no Salão de Paris do ano passado, a quinta geração do March (conhecida em outros mercados como Micra) está melhor em todos os sentidos: o hatch ficou maior, mais espaçoso, mais tecnológico e bem mais bonito e arrojado. Seria um carro para abalar as estruturas do segmento no Brasil. Seria... Se o cenário econômico desfavorável e o foco (de novo) em SUVs não levasse a Nissan a suspender seus planos para cá, conforme apontado por ninguém menos do que o chefão do grupo, Caros Ghosn. "Existe a chance de fazermos esse carro no Brasil? Sim, mas só quando o mercado permitir", disse o executivo. Resta aguardar e torcer...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Lendo as entrelinhas - vocês são otários e merecem carros lixos que a gente ganha muito dinheiro em cima sem precisar gastar muito. Carnêzinho Casas Bahia está aí pra isso e é o que tem pra hoje. Boa sorte.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!


Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.


Entrar Agora
Entre para seguir isso  
Seguidores 0