Entre para seguir isso  
Seguidores 0
MIS

Questão De Imagem: Os Comerciais De Tv E O Automóvel

2 posts neste tópico

Questão de imagem: os comerciais de TV e o automóvel

Editorial.png

Simples ou repletos de recursos, filmes de publicidade

podem contribuir para a reputação da marca ou prejudicá-la

Anúncios comerciais de televisão — hoje, cada vez mais acompanhados ou mesmo substituídos pelos veiculados na internet — são, por tradição, uma das maneiras mais diretas para um fabricante de produtos falar com seu público. Nada mais natural, seja pelo alcance dessas duas mídias, seja pela forma como a publicidade chega ao consumidor, com recursos de áudio e vídeo que vão muito além da propaganda impressa.

Há comerciais que se fixam em nossas mentes por décadas, de forma positiva, e concorrem para formar a boa imagem da marca ou do produto. Por que isso acontece? Os especialistas em marketing terão sua explicação, mas para mim — como mero interessado no assunto, em particular quando se trata de automóveis — a fórmula para esse êxito envolve requisitos como originalidade, foco no público-alvo e a escolha de cenas, sons e mensagens apropriadas ao produto. É claro que as qualidades do carro apresentado ajudam, mas não são elas — ou só elas — que fazem um bom comercial.

Nos tempos em que o mercado nacional estava fechado às importações, os carros produzidos aqui acumulavam décadas de produção (o que ainda acontece hoje, mas em menor parcela), uma defasagem que não impedia a elaboração de grandes peças publicitárias.

Da década de 1980 (a primeira da qual poderia me lembrar sem recorrer a gravações), ficaram em minha memória comerciais como o do Chevrolet Diplomata 1987 com o maestro Diogo Pacheco, que o dirigia enquanto parecia conduzir uma orquestra — e transmitia uma imagem sofisticada, perfeita para o público que a General Motors almejava com o grande sedã. Ou o clássico de Zé Rodrigues, “meu coração bate mais alto dentro de um Chevrolet”, no lançamento da linha 1988 — tão marcante que foi reinterpretado por Roberto Frejat e Edgar Scandurra, em 2010, para apresentar o Camaro.

Da mesma época é o filme da linha 1989 da Volkswagen, com a música Isso aqui o que é, que esbanjava bom humor e descontração de um jeito bem brasileiro. Como esquecer o cavalo de pau que colocava a Parati com perfeição em uma pequena vaga de estacionamento? Ou o “flanelinha” que, distraído com uma moça bonita por perto, se esquecia de avisar para o motorista cessar a manobra de ré?

Com charme e com humor

Veio a abertura de mercado, em 1990, e com ela a expansão da oferta ao consumidor, tanto com carros importados quanto com a inauguração de fábricas de novas marcas. A indústria nacional respondeu ao cenário de competição e a publicidade refletiu aquele momento. A GM fez uma bela campanha com o mote “absoluto” em 1992 para o Omega, que tinha suas partes divididas por um raio laser para mostrar cada detalhe interno ou mecânico. Em outra linha, adequada a um carro acessível, surgiu em 1994 a figura do velho ranzinza que reclamava das modernidades do Corsa — “O que há de errado com o velho e bom carburador?”.

A Fiat criou um comercial inesquecível para o lançamento da Palio Weekend, em 1997, com a música Fool Around e peixinhos que ficavam com saudades quando a família ia embora da praia com a perua. Do mesmo ano é o criativo anúncio do garoto que sonhava com uma Kombi, e não um conversível, para poder passear com muitas garotas em vez de uma só…

Ao lançar o Gol reestilizado “Geração 3″, dois anos mais tarde, a VW fez um belo filme do carro em um campo de futebol, marcando pontos a cada detalhe mostrado e, ao fim, fazendo o placar disparar até explodir quando a marca VW era destacada. E foi também em 1999 que surgiu o Mercedes-Benz Classe A nacional, com um anúncio que relembrava o sonho de infância com a marca — o garoto brincando com uma miniatura do 300 SL de “asas de gaivota”, o jovem curtindo os Mercedes nas revistas — até que, já adulto, o homem vê o compacto na concessionária e se descobre apto a realizar seu sonho.

Nos anos 2000 os comerciais buscaram variedade, desviando-se muitas vezes do foco nos atributos do automóvel, o que não impediu que boas campanhas fossem criadas. São desse período anúncios marcantes como o do Ford Focus 2009, com os funcionários da fábrica cantando Happy Together e indicando prazer em fazer o carro, e o do Citroën C4 Pallas de 2007, no qual o ator do seriado 24 Horas Kiefer Sutherland estranhava a cidade vazia, silenciosa, até perceber que ela só parecia assim vista de dentro do carro. Lá fora, o caos.

Na sempre criativa Fiat, o tema “rever conceitos” levou a algumas peças muito divertidas entre 2001 e 2003. Em uma delas um senhor reclama a uma moça que está demorando demais para ser recebido pelo presidente da empresa — na verdade é a presidente, ela própria, que ele pensava ser a secretária. Do exterior veio um ótimo comercial do Peugeot 206, no qual um jovem indiano amassa sem dó seu velho sedã para deixá-lo vagamente parecido com o compacto francês, o que o habilita a chamar atenção das garotas… São memoráveis ainda alguns comerciais da VW com animais, como o do CrossFox criado pelos tigres e o da picape Amarok com a elefanta Korama, que simbolizava confiabilidade e companheirismo.

Um rol que pode ser fechado com chave de ouro por duas campanhas dignas de aplausos, veiculadas nos últimos meses: a da Ford para o Fusion, com quatro filmes na internet que mostram o duelo entre Nélson Piquet e Nigel Mansell em autódromo ao volante do sedã, e os dois comerciais da VW para o Fusca, que levam o novo besouro ao cenário dos anos 70 com direito a uma aparição do humorista Mussum. Ambas mostraram que temos no Brasil agências de propaganda de primeira linha.

Comerciais que divertiram, despertaram boas lembranças e sensações agradáveis e, por isso, marcaram época e contribuíram para a imagem dos produtos que anunciavam. Triste recordar tudo isso e ver um fabricante da estirpe da Mercedes-Benz — até então, símbolo de bom gosto, requinte e qualidade — recorrendo a um funk para atrair atenção de forma barata ao novo Classe A. O fascinante mundo da publicidade poderia passar sem essa.

Fonte: Best Cars - 05/4/2013 - http://bestcars.uol.com.br/bc/informe-se/colunas/editorial/400-questao-de-imagem-os-comerciais-de-tv-e-o-automovel/

---------------------------------------------------------------------------------------------------------

Vasculhando o Youtube, dá pra encontrar muitas propagandas antigas. E muitas delas são bem legais.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!


Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.


Entrar Agora
Entre para seguir isso  
Seguidores 0