Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Showing results for tags 'golf'.



More search options

  • Search By Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Search By Author

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Principal
    • Fórum Carros
    • Qual Carro Comprar?
    • Carros com isenção de IPI, ICMS, IOF e IPVA
    • Mecânica, Preparação e Manutenção
    • Conservação e Limpeza
  • Hobbye
    • Som Automotivo
    • Automobilismo
    • Fotos e Vídeos
  • Encontros e Eventos
    • Encontros e Eventos
  • Diversos
    • Suporte, críticas, sugestões e reclamações
    • Off-Topic
  • Classificados
    • Veículos
    • Peças e Acessórios
    • Diversos
  • Regras de Uso
    • Geral
    • Placa Preta
    • Classificados

Encontrado 12 registros

  1. Qual eu compro?

    Olá estou na dúvida qual carro comprar. Moro numa cidade pequena do interior então é um carro pra rodar na cidade mesmo pra fazer o basico mesmo. Quero comprar um carro completo e estou em duvidas entre um golf 2003 (1.6 completo) fox entre 2006 a 2009 (1.6 completo) e um citroen C3 entre 2006 a 2008 (1.6 completo). Ambos os preços vão até 20 mil reais. O carro é para apenas duas pessoas, necessidades básicas , e viagens curtas para cidades visinhaa onde o máximo de distancia é 40km. Gostaria de saber qual é o melhor de custo benefício, manutenção e se tem muitos defeitos.
  2. Golf Highline Dsg 15/15

    Sou novo aqui no fórum e gostaria de compartilhar minha experiência com meu carro, um Golf Highline DSG 15/15. Já começo dizendo que amo o carro, algo até então impensável para mim (amar um carro). Optei pela versão Highline sem opcionais, com rodas 16" sem teto solar. Não foi muito por valor, mas além de terem uma unidade no estoque, sou receoso ao uso de rodas 17" em nosso asfalto e consegui um "desconto" de R$6.000 na tabela, entregando ainda um carro como parte do pagamento. Acabou saindo mais barato que a Comfortline com pacote Elegance. A diferença entre os modelos também são fáceis de encontrar por ai e se limitam a acabamento, compartilhando a mesma mecânica. O que pra mim fez a maior diferença foi o acabamento interno, com bancos não somente revestidos em alcantara mas também com melhor ergonomia, o rebatimento elétrico dos retrovisores e lanternas traseiras e neblina em LED. O acabamento é primoroso. Painel soft, porta-luvas revestido, bem como os porta-objetos das portas, encaixes perfeitos no painel. O couro que reveste o volante é simplesmente perfeito ao toque, bem suave, e o volante por si só parece uma obra de arte, com base ligeiramente retangular. Este mesmo couro reveste o freio de mão manual, que possui acabamento também em black piano. Tudo aparenta qualidade. Logo ao ligar nota-se o painel de instrumentos, com computador de bordo completo e fácil de usar, com botões acessíveis no volante. O sistema multimídia também é bastante intuitivo, sendo mais fácil que o dos MB e BMW. Ainda sobre a multimídia, acho um absurdo ter de pagar mais de 5.000 reais para ter acesso a um GPS no Golf, bem como a escolha dos modos de condução. Era pra ser item de série. Além disso, vem com um pacote de coisas que não quero, como as rodas 17" citadas anteriormente. O carro é bastante confortável e está adequado para carregar 4 passageiros adultos em viagens, exceto pelo porta-malas, que é pequeno. Ainda assim, para a vida urbana é possível carregar uma família pequena em pequenas viagens. Dirigindo, eu honestamente não vejo defeitos. A direção elétrica é leve, confortável no dia a dia, mas se comporta bem em velocidades mais altas, tornando-se ligeiramente mais rígida. O motor 1.4 TSI realmente surpreende e o carro é um foguetinho, mesmo em altas velocidades apresenta retomadas muito boas, graças também ao câmbio DSG7. Não senti turbo lag, nem "kick" com o acionamento das turbinas. Suspensão durinha com carro colado no chão, muito estável. O carro rola pouco, mesmo em curvas fechadas. Muita gente critica a suspensão, que é realmente mais durinha, mas o ganho que se tem do comportamento do carro na estrada, vale a pena. Além disso, a suspensão é menos rígida que a de uma 320i ou Cooper S por exemplo. Na cidade, em buracos e lombadas grandes, é um pouco desconfortável. O A3 possui um ajuste ligeiramente melhor para o conforto. A200 e C180 são muito mais confortáveis, porém menos estáveis. O câmbio DSG também é outro ponto a ser elogiado. Trocas suaves e rápidas, com um comportamento que parece saber o que o motorista quer, reduzindo marchas de forma muito conveniente. O casamento deste câmbio com o motor é perfeito e parece voltado tanto para performance quanto consumo. No trânsito do dia a dia, fora dos horários de pico, faço médias de 14 km/l. Na estrada, cerca de 17 km/l. Tudo isso dirigindo de forma consciente. Se pisar, o bicho consome bem mais. Na frenagem, o carro é nada menos do que esperava, com bom desempenho. Em uma frenagem de emergência, o carro não destracionou nem um pouco e permaneceu na rota, graças a todos os dispositivos de segurança. Em termos de segurança, o carro é 10. Como se trata do modelo mexicano, posso afirmar, após comparar as unidades lado a lado (alemã), que a qualidade de construção e encaixe das peças é o mesmo. Perdeu-se tampa do porta-copos, freio de mão eletrônico e auto-hold. No lugar, freio de mão manual e hill-assist. E os barulhos? Eu particularmente não consegui ouvir nenhum barulho até o momento, nem do DSG, nem da suspensão traseira. Sei que existem, mas no meu veículo, com janelas fechadas, não ouvi... sou músico desde a infância e tenho certeza que me incomodaria. Quanto ao DSG retendo marchas, isso acontece. Toda vez que se passa por via muito acidentada, o câmbio retém a segunda marcha até 3k, fazendo a troca automática neste ponto. Acredito que seja uma característica do câmbio, bem como mecanismo de preservação do mesmo. De crítica, tenho apenas uma coisa do carro: o local de encaixe do cabo para comunicação com iPod/iPhone é o pior possível e provavelmente até estraga o cabo com o tempo. O local é apertado e totalmente inapropriado para o encaixe do cabo, que fica torcido de uma forma bizarra. No geral o carro me oferece o valor que paguei, se comparando a outros modelos de mesmo valor. Um Corolla intermediário, por exemplo, não é a metade do carro e sairia mais caro. Obviamente não é um carro barato, mas pelo menos vejo qualidade semelhante à encontrada em carros de segmentos superiores. Se tiver longevidade, com pouco desgaste, será um dos melhores carros que já passaram "aqui em casa". Por favor, não quis diminuir nenhum outro veículo aqui. Todos os comentários foram feitos baseados na minha experiência com os modelos citados, que são em geral de parentes íntimos, como pais, sogros, namorada, etc. São carros que dirigi mais do que num test-drive, tendo alguma experiência, e não achismo. Pra finalizar, acabei comprando o carro um pouco antes do que pretendia devido a chegada do modelo nacional. Entendo que poderia ter um modelo flex em pouco tempo, mas acredito que a qualidade vai cair. Prefiro ter um modelo mexicano que um brasileiro... prefiro arriscar a mijolina no modelo a gasolina. Obrigado por quem teve a paciência de ler até aqui. Em breve posto novas fotos. Atualizando com as fotos já inclusas em postagem abaixo:
  3. Qual carro devo comprar?

    DÚVIDA CRUEL !!! Meus amigos estou com uma tremenda dúvida, gostaria de uma sugestão sincera. Dispenso Fã Boy. Tenho em mente o seguinte: - Carro novo Jamais, pois vc perde muito dinheiro - Semi novo IPVA muito caro, SEGURO muuuuito caro e devido o país estar em recessão não é hora para esse tipo de investimento Desde os meus 18 anos venho em uma "evolução" em se tratando de aquisição de veículo. Meu primeiro carro foi um singelo FIAT UNO 2002 "pé duro" no qual me deu muitas alegrias e fiquei com ele por 4 anos, tive a minha primeira experiência em se ter um carro e sentir na pele o que é bancar um carro (Manutenção, Impostos, Seguro). Logo peguei um Corsa 2004 "frente de montana" completo, esse já tinha vidros elétricos nas 4 portas, ar condicionado, direção hidraulica, farois de milha e etc .. a manutenção um pouco mais salgada mas foi minha primeira experiência com um carro um pouco mais confortável porém 2 anos depois troquei por ele ser 1.0. Logo troquei o Corsa por um Siena 2014 1.4 c/ 15 mil km ''ZEROOO" completão, com todos os itens opcionais, vidros elétricos nas 4 portas, ar condicionado, direção hidraulica, farois de milha, radio original Fiat com kit connect, retrovisores elétricos, airbag, abs ... muito confortável ... Só que logo eu mudei de emprego e nesse novo emprego eu trabalho com o carro da empresa e acabou que o carro chegou a arrear a bateria na garagem pq eu não usava, logo pensei, poxa 35 mil reais parado na minha garagem, sem falar que eu acostumado a pagar 650 reais de IPVA já tive que desembolsar 1400 reais mais 1400 reais de seguro total, 2400 reais por ano + depreciação .. resolvi vender o carro e aplicar o dinheiro em um investimento. Já há um ano eu estou sem carro, porém agora resolvi pegar um carrinho de novo só que tem as seguintes premissas: - Não quero carro popular - Quero um carro no máximo 17 mil, pois o IPVA é barato e Seguro é mais barato - Como vai ser um carro só para passear, pode ser um carro que consome um pouco mais tipo um carro 1.8 e tal. Levando essas premissas em consideração e analisando bem cheguei a essas opções. - STILO 2003 - GOLF 2004 - AUDI A3 2003 Todos os carros citados achei por valores até 17 mil reais. Vou descrever o meu conhecimento e o por que eu escolhi os modelos acima. - STILO 2003 Andei verificando e vi que o carro é completo. LADO BOM Tem tudo que eu quero e é muito confortável. Direção elétrica, ar condicionado, vidros elétricos nas 4 portas, rodas de liga, retrovisores elétricos e tudo que um hatch médio da categoria oferece. Um amigo que já teve um me indicou o carro e disse que ele realmente é muito bom, o consumo é mediano faz em torno de 8km/l dependendo do pé dá até uns 9,5km/l. Ele disse que o carro não estraga e que a manutenção hoje em dia é praticamente o mesmo valor da manutenção de um palio sporting dos novos. LADO RUIM É um carro extremamente desvalorizado, para vender é um custo e acaba vendendo bem abaixo da tabela, apesar de eu citar que um amigo que já teve dizer que a manutenção é a mesma de um palio, as peças são mais salgadas. Devido o ano, vai ser difícil encontrar um em boas condições e com certeza estão com mais de 100mil km, um carro desses vai ser dificil achar com as manutenções em dia e provavelmente irá aparecer uma coisinha aqui pra mexer, uma coisinha ali pra trocar e o meu medo é de eu ter que gastar uma grana nele, pois as peças e a parte eletrônica ser cara. - GOLF 1.6 2004 LADO BOM É um carro melhor de comercio, tem um certo conforto apesar de ser um gol melhorado, típico da marca por fabricar carros secos e com um acabamento simples, óbvio na minha opinião. Quem tem diz que é econômico e dá 10,5 km/l em consumo urbano. É completo tb, com direção hidraulica, vidros elétricos nas 4 portas, ar condicionado e etc .. tem uma aparência bonita. Se colocar umas rodas 17 e dar só uma alinhada na suspensão fica bonito demais. LADO RUIM Nesse ano e modelo só estou encontrando golf surrado. Aquele volante de gol mata o carro, fiquei sabendo que a manutenção é salgada, e seguro é um pouco mais caro. E devido ao ano na mesma situação do Stilo corro risco de pegar uma bomba, carro que eu teria que gastar uma chita para deixar com as manutenções em dia e arrumado. - AUDI A3 2003 LADO BOM Como os demais completão. Tem um acabamento mais premium, tem um bom rendimento com o motor 1.8 e fiquei sabendo que não é tão beberrão, chega a fazer 9km/l em uso urbano. Só de ser um AUDI já anima a gente. Dizem que o carro não estraga. LADO RUIM Mecânico desses carros trabalham de terno e gravata. A manutenção é mega salgada, e corre risco de dar canseira para achar as peças. Tem uma desvalorização tremenda, cheguei a achar esse carro por 10 mil. Ninguém quer esse modelo e ano, não sei se é pq está na hora de dar problema e os donos estão doido para desfazer e ai dá essa impressão que ninguém quer. Bom galera, como vcs vêem, eu tenho ciência do lado bom e do lado ruim de cada carro, pelo menos é o que eu acho até o momento, pode ser que eu esteja equivocado em alguma informação e que tenha alguma informação que está faltando. Gostaria da opinião de vocês em relação a esses carros citados. O que vocês escolheriam? E por que? Se tiver alguma informação em relação aos carros que esteja faltando ou que eu esteja equivocado, por favor peço que seja citado. Peço por favor que não julgue o carro pela marca, julgue O CARRO, da mesma forma peço que não valorize o carro pela marca e sim O CARRO. Agradeço se puderem contribuir.
  4. Golf Ou Focus

    Boa tarde Galera, Sou novo no fórum, bom... to pesquisando 2 carros e estou bem balanceado, entre Golf ou Focus hatch^^ e queria uma ajuda de vocês. Valor pretendido no Max 35k Golf 2008 > 1.6 Completo Focus hatch 2010 > 1.6 " Completo Sobre seguro, manutenção e consumo Prós e contras vlw
  5. Primeiro carro, qual comprar?

    Bom dia pessoal, sou novo no fórum e queria uma ajuda para adquirir meu primeiro carro. Pois bem, venho procurando um carro que me agrade a algum tempo, levando em consideração que posso gastar até R$1500,00. custo X beneficio, designer, economia e potencia mecânica. Esses foram os carro que me chamaram a atenção Honda Civic 1999 sendan AT Honda Civic 1993 hatch AT VW Golf 1996 AT. Queria saber qual é a melhor opção levando em consideração os itens acima. E se as peças são de fácil acesso e valor de custo. Obrigado.
  6. Golf GL 96 com relé estalando

    Boa Tarde Amigos Tenho um golf gl 96 Mexicano e estou com um problema que ainda esta sem soluçao.O rele na caixa de fusiveis fica estalando quando gira a chave para ligar,o eletricista fez os testes e disse que era o modulo,gastei uma grana e comprei o modulo.E NADA. Quando o rele esta estalando o carro nao da partida,quando para de estalar ele pega.Alguem ja se deparou com esse problema? O rele pelo que o eletricista disse e o da bomba,porem segundo ele a bomba esta boa. Aguardo ajuda Obrigado
  7. Gostaria de saber se é possivel trocar os discos das rodas traseiras do VW GOLF GTI MK7 2015 por um maior um pouco do que o de fabrica? e quanto você estima que ira custar essa troca?
  8. Beleza amigos ? não sei se estou no tópico certo, mais queria tirar uma dúvida com vocês, tenho um golf alemão 1.8 16 valvulas, ai queria saber se dava pra por um outro motor sem ser peças importadas, se sim me indicariam algum ? valeu a todos que responderem a este tópico.
  9. Estou com uma dúvida e conto com a opinião/informação de vocês para me decidir. Já estou com as cartas de IPI + ICMS para comprar um carro (não condutor). Dentre as várias opções de compra com as duas isenções, optei pelo Corolla GLi 1.8 Automático. Acredito que vou ficar com esse carro por mais de 2 anos e estou começando a pensar se não seria o caso de comprar um carro mais completo e usar somente a isenção do IPI. Nesse caso, o que vocês sugeririam? Corolla Xei, Civic EXR, Focus Hatch 2.0, Fastback 2.0, Renegade, HRV, Jetta, C4 THP, etc... Se alguém tiver os valores desses carros somente com isenção de IPI, eu agradeço.
  10. Avaliação / Teste Novo Golf Gti 2015

    PARTE 1 APRESENTAÇÃO DO CARRO E IMPRESSÕES INICIAIS ( USO URBANO ) No interior do salão, um Golf GTI nos aguarda. Teto solar aberto, frente agressiva, a exclusiva cor cinza carbono e as características externas e internas do pacote Elegance , fazem os outros VW ali presentes, inclusive um TSI , sumirem como mágica do campo de visão. O GTI não foge à regra de sua sigla e chama a atenção para si. Recebo a chave, que no Elegance é presencial Keyless. Bonita, obra de arte, e tem o logotipo GTI. No canivete , tem a chave de porta luvas e de desarme do Air Bag do passageiro. Abro o carro, entro, coloco a chave no porta treco abaixo do encosto de braço e me acomodo no banco de couro. Não é preciso 10 segundos para notar que o banco é "gti " também, algo bem superior ao TSI. Uma fácil regulagem, que nesse pacote do carro é feita manualmente , e o conforto é premium. Já dá para analisar e apreciar os detalhes esportivos, como partes de pedaleiras e bate pé com apliques em alumínio. O teto solar é de dimensões bem grandes e aberto torna o carro praticamente um roadster, pelo menos para os ocupantes dos bancos dianteiros. O interior cheira qualidade, odor do revestimento de couro é agradável e o tem toque sutil do volante multifuncional, com as pequenas borboletas de troca de marchas, outros muitos botões de fácil acionamento , e um revestimento que seria couro, mas é um material acima disso . É um cockpit de sonho . Ligo a central de infoentretenimento, tela touch de bom tamanho e visibilidade , escolho rádio , lista de rádios, seleciono uma e deixo baixinho. Pé esquerdo do freio, alavanca do DSG - devidamente revestida no couro e costura vermelha- em Parking , dedo direito no botão de partida, o motor liga. Mas liga macio, macio. Imagine uma partida macia e multiplique isso por três. Duplo comando variável no motorzão Turbo 2.0 , com árvores contra rotativas, o conta giros no painel mostra que o bicho ligou. Ligou e daqui a pouco vai nos levar para dar uma volta , e revelar quanto de encanto pode estar embutido nesse novo hatch , ícone da Volkswagen à décadas e um sonho da molecada de 8 a 80 anos. São praticamente doze horas de um dia nublado. O painel marca 19 graus lá fora . Enquanto aguardo o passageiro, coloco o ar condicionado dual zone em 21 graus de cada lado, deixo o teto solar aberto pouco mais de um palmo e abro manualmente toda a tela inferior dele, tela levinha , semelhante àquelas proteções solares que colocam no vidro lateral onde vai uma criança pequena. Desligo o ar, já que as intencões são as melhores possíveis, jogo o câmbio em D e saímos praça afora tendo toda a cavalaria do motor à disposição. Se você ainda não andou por aí com um câmbio DSG, saiba que ele é um pouco mais dificultoso de operar nos pedais que um câmbio automático-hidramático. Simplesmente porque ele tem embreagem, então o ato de comandar o pé direito no acelerador requer um pouco mais de habilidade em primeira e ré, e também se você prefere usar simultaneamente o pé esquerdo ao freio num automático, nesse uso urbano , o Gti oferece assistência exagerada . Ande mais um pouco e se você for destro, vai preferir deixar o pé esquerdo quieto no maravilhoso bate-pé de alumínio e comandar o carro por entre o trânsito pesado só com um pé. Vamos rodando, bem devagar a princípio, por essas ruas de buracos mal tampados e com alguns quebra molas e o Golf transpõe tudo com facilidade. Não raspa. Passa meio seco pelas imperfeicões urbanas, mas o conforto do banco e perfeição da direção elétrica mais volante sem igual dominam o ambiente. Sigo bem devagarinho, esquentando o carro e reparando na ótima visibilidade, tanto frontal e lateral , como pela retrovisão. Aliás , os retrovisores externos têm o vidro com área delimitada no canto contra ponto cego, possibilidade de fechamento manual ali na regulagem, ao trancar também , possui aquecimento e iluminação. Também podem ser configurados para rebaixar e ver a guia ,em ambos os lados . O retrovisor interno é eletrocrômico com os devidos sensores e na frente dele fica o sensor de luz contrária que ativa o comando automático dos faróis bixenon ,ou seja , se quiser você anda sem relar em facho alto, facho baixo. Que você pode desligar, se preferir, mas atente que até o comando dos faróis tem regulagem normal e Sport nesse carro... Sport o farol clareia mais à frente. Caiu o queixo? Pois bem, todo o carro é configurável. Enquanto troco umas idéias com o passageiro , muitos carros que chegam atrás do Golf cinza de pneu largão e com esse novo teto solar sobreposto à lataria , tentam a todo custo colocar seus carros ao lado para darem uma espiada. Se uma intenção é ter um Golf por ser um carro discreto, pode esquecer, ao menos nessa especificacão. No primeiro sinaleiro que paramos, pé no freio segurando o carro na descida, passa um tempinho e o conta giros desaba. Desligou. Considero bom sinal o Golf ter acionado o start -stop , pois significa que o carro está com uma série de condicões ideais. Como por exemplo a carga da bateria. Você mesmo quer checar carga de bateria ? Pois bem, basta segurar um pouco o botão 0.0 aqui logo na frente do painel, que o percentual de carga na bateria e mais uma batelada de coisas te são mostradas ,uma a uma, bem visível ali entre o velocímetro e o contagiros. Dou um click no botão start - stop, no console de marcha, o motor EA 888 acorda e espero os segundos finais do sinal já ansioso para rodar novamente. Estamos em uma avenida bem estreita , de piso ruim e três quebra molas. Passo no primeiro, bem alto, com certo cuidado, o Golf nem tchum, vou pro segundo já com certo ímpeto e o carro passa batido e rígido que nem o carro dos Flintstones, esse troço de mola flexionar terminou lá no último Landau fabricado, e no terceiro quebra molas, o mais baixo, nem dou trabalho pra freio e caixa Dsg , passo pulando e dá-lhe acelerador , com cuidado para não puxar marcha . O motor é mesmo bem macio ao acelerar e cresce redondo avenida acima ,não há lag de turbo nesse uso urbano leve , isso contribui para o prazer o guiar o carro. Pode passear o dia inteiro de Gti na cidade que não vai querer parar. Aproveite a economia que recursos como o start-stop devem proporcionar, torre um tanque inteiro de gasolina em um dia e já tem proeza para contar aos netos , que vão nos ouvir já de olho no whatsapp da época procurando qual é o distúrbio psiquiátrico do Avô. Enquanto seguimos em área urbana para perto do trecho que vamos exigir tudo do Golf, vejo que a caixa Dsg está retendo mais as marchas, mesmo no plano, que a caixa Dsg do Jetta, por exemplo. Troco umas duas vezes na borboleta para pegar giros menores, mas por vontade própria o Dsg do GTi manteria marcha baixa mais tempo. Então, se você for um feliz possuidor desse carrro com esse pacote, talvez seja melhor usar o carro assim no Modo " econ" . Tecla no console de marchas, e vc tem econ, normal , sport e individual , esse último você seleciona motor, câmbio, iluminação, e mais meia dúzia de coisas ao seu gosto e aoertou o botão, elas estarão lá, não precisa ficar configurando uma a uma na tela toutch ou nas teclas do volante. O Gti básico e depois falamos nele, não tem isso , o modo dele é um só , o carro se adapta ao que quer , mas você tem sim a maioria das regulagens, sem precisar de um scanner. Andamos mais um pouco e além de baixa rumorosidade de pneu ,nenhuma da suspensão e um motor quase inaudível na cabine nessas solicitações, reparo que os dois mostradores principais do painel , velocímetro e contagiros, perderam um pouco da ótima leitura que proporcionavam em outros modelos VW. No contagiros, além de traços divisórios menos esclarecedores, chama a atenção a pequena diferença entre a lista vermelha tracejada de 6.000 a 7.000 e a vermelha contínua. Termina em 8.000. Volto ao assunto depois. E o velocímetro, agora cismou de começar de 0 , 10 , 20 , tomando espaço lá em cima, onde depois de um espremido 250 , o próximo número é 280 . O duzentos e quarenta e duzentos e sessenta são traços , e em todo o velocímetro, metade dos números agora são pequenos , metade tamanho normal. Vamos chegando o acesso ao trecho de teste , e já vou preparando o carro , fecho o teto solar na excelente tecla de acionamento, e após , dou um toque vertical na mesma , para elevar a parte traseira do teto. Aliás, ele não sobe muito, mas como a seçao é larga, provém ótima exaustão da cabine. Deixo o vidro do motorista uns dois dedos aberto, espaço de dose de cachaça no copo americano. Dou umas batidas na alavanca DSG , que está em D, no sentido puxar , e ela assim alterna entre os modos S e D em cada toque. Deixo em S , mostrado no centro do painel , e aciono a alavanca de D para o lado , onde ele troca marchas na alavanca , continuando as borboletas do volante operantes. Infelizmente , para mim, a VW escolheu reduzir marcha puxando a alavanca , e avançar marcha empurrando alavanca , sentido painel. É menos intuitivo, todos os cambios sequenciais de competição são o contrário. Também fizemos um acerto prévio no carro. Como é um esportivo, todas as regulagens possíveis estão no modo mais rápido . Isso foi feito no CAR da multimídia, e alguns acertos são feitos no volante, quase tudo exige motor ligado. Cuidado para não fazerem isso em garagem pouco arejada. O Controle de estabilidade , por exemplo, nessa unidade Gti não desliga totalmente e fica em ESC SPORT. Só para desencargo, aperto e seguro uns segundos o botão ASR no console e vem no mostrador do PC de bordo que desligou todas as assistências . Finjo que acredito e dou uns toques em uma tecla na direita do volante, onde alternaremos o PC entre Velocidade e Temperatura do óleo. São números grandes e bem visíveis. Guiando com as mãos em quinze para as três, dá para fazer isso facilmente, e um treino antes sempre ajuda . Os pneus, no caso Turanza ER 300 , medida 225/45-17 , e estão na máxima calibragem para o carro vazio, e no tanque temos cerca de 16-18 litros de gasolina de alta octanagem e " baixo" álcool . Chegamos, afinal , e a expectativa para ver os oito bicos injetores do motor GTI darem cabo desse combustível já vai fazendo o pé direito se coçar todo. Bicho de pé e lombrigas atiçadas. PARTE 2 TESTE DINÂMICO DO GOLF GTI ( PISTA ) Entro na pista de testes e acelero tudo. Estalo de acelerador no batente, kick down , e o Golf inicia algo que podemos chamar de decolagem. Mesmo aliviando parcialmente o acelerador , o ponteiro dá duas lambidas na faixa vermelha do contagiros, carro fazendo o duplo S inicial de alta com dois toques de volante e como se estivesse em reta. Impressionante a força do motor. Aborto a " decolagem " e ,com o óleo ainda a 65 graus, opto por fazer a reta seguinte ainda aquecendo o motor ,novinho. Toque na alavanca de marchas pro lado direito e jogo ali marcha pra cima, empurrando-a sentido painel. O giro cai para 2.000 rpm, mas percebe se que há muito torque ali. O Gti retém um pouco mais giro nas marchas, no modo Econ ele poderia levar o carro de sexta a 1.600 rpm, tranquilamente, e ainda ter força maior que a maioria dos carros. Descendo a reta a 120-130 vejo que o teto solar levantado não apresenta ruídos de vento, nem os retrovisores, que ficam a quase 45 graus com o ar frontal. Muito bom ,dá para viajar nesse modo, rádio baixinho na cabine silenciosa. Outra coisa excelente é que alguns carros muito bons passarinham um pouco nessa reta, mas o Gti segue firme e colado ao chão. Vamos chegando em uma sequencia de curvas e experimento carregar o motor , reduzo quarta marcha na borboleta esquerda do volante , o giro sobe para 4.000 rpm, e nessa situação de giro médio e sem carga de acelerador, pela primeira vez o motor não se apresenta totalmente macio. Jogo para o Dsg fazer o serviço e entramos na sequência de curvas, o carro segue numa tranquilidade impressionante, é facílimo só virar o volante de ótima textura e empunhadura , e o carro ir fazendo o trajeto, acelerador relado. Dou nova verificada no óleo, 91 graus, já estanos livres para acelerar. Na penúltima curva, fechada e à esquerda, estamos chegamos em um novo Fox 120 cv , que também faz o uso do trecho. Saio da curva e cravo o pé no fundo do acelerador. O Gti inicia uma incrível arrancada e passa voando pelo Fox, já com uma velocidade diferencial enorme. Estamos a 160 nessa pequena retinha da ultrapassagem e vem nova curva à esquerda, apertada e de uns 60 graus. Deixo o pé lá no fundo e entro na curva apenar virando o volante. Do jeito que o Golf GTI entrou, contorna e sai, sem rolling, sem esfregamento de pneu, aliás a direção elétrica não mostra muito do que está acontecendo nos pneus, e reta abaixo, o carro segue virando velocímetro e contagiros de forma absurda. É muita força. Turbina IHI do GTI,fonte de força Força , aliás, que o GTI não faz questão nenhuma em disfarçar, a sensação de velocidade é maior que a mostrada pelo velocímetro, e nessas condições de pé cravado,o carro requer atenção total do motorista à pista e à percepção do que está acontecendo nos controles. O carro já vai acima de 190 e tiro totalmente o pé do acelerador , para preparar a tomada para a curva à direita. Nesse momento de corte abrupto da aceleração, ainda na reta , há uma certa sensação de instabilidade. Só sensação, o carro não se mexe , mas é algo que não deveria acontecer, e entro um pouco mais no freio ,posiciono o carro e contorno parte da curva a uns 155, dez abaixo do que pretendia fazer, pura precauçáo. Vamos iniciar a reta em subida em que medimos a potência do motor , e já antes de terminar a curva, cravo o pé no acelerador. O carro decola reta acima , nova e magnífica aceleração, sensação de força do motor CXBA México-Brasil fazendo um túnel de empuxo para alegria nossa e do passageiro. Os números do velocímetro digital crescem rapidamente na quarta marcha e chegamos em uma pequena e leve curva à direita lá no alto, semelhante à curva do café em Interlagos, a 202 km/h . Opto por manter o pé cravado e entro assim na pequena curva , virando quase nada e com muito cuidado o volante ,os braços do passageiro se mechem , é o tal frio na barriga da força G , e trato de tranquilizá-lo : 'olha só, pretendo chegar lá no alto a 215 , e vou dar freio , tá bom? " O Golf cresce bonito na retinha final do morro, ainda de quarta marcha, e atinge a excelente marca de 212 km/h , 6450 rpm . Curva fechada á direita à frente. Tiro o pé , entro no freio e dessa vez o Gti se comporta perfeitamente . Aliás, os freios são muito fortes . Contorno a curva devagar, e enquanto o passageiro respira, confiro a temperatura do óleo nessa solicitação máxima. Está tranquila, 111 graus , dou um totó no acelerador para o carro se aprumar e sigo devagar esfriando o carro, na curva longa em descida leve e retinha seguintes . O Gti parece não dar a mínima pelota para o enorme esforço que acaba de fazer e nos transporta em situação de grande conforto. Um pouco mais à frente , dou uma freada, puxo duas marchas reduzindo na borboleta e tiro o carro da pista ,para um patamar superior, onde estaciono mantendo o motor ligado, em Parking Pelo peso do carro e velocidades atingidas, pode-se estimar potência acima da divulgada, passa de 260, acreditamos que 270 cavalos se tenham feito presentes, e o torque certamente é 40 kgfm ou acima. 220 cv entre 4.300 e 6.500 pode ser até , no limite inferior, mas há sim um ápice de potência ali na casa de 6.200 a 6.300 rpm , e deve ser no valor estimado. O carro ligado mostra que numa rápida inspeção, não tem nada anormalmente quente , cheiro só o do couro do banco, não há barulho de eletroventiladores , água está cravada em 90 graus e apareceram dois avisos na tela da rádio. Nem tenho curioidade de ver, reverifico se o ASR está off, se o carro está em Sport, o ESC idem : logo em seguida, já mais íntimo do carro, vamos fazer uma passagem em curva e medir a velocidade máxima do carro . Vou manter o teto levantado atrás, pois ele se comportou muito bem ao vento, e deixo a pequena fresta no vidro do meu lado. Engato D/S ( não tem ali uma posição fixa S como Jetta e Fusca ), devolvo o carro para a pista e alinho reto, rodando o carro até 10-15 km/h indicados no velocímetro analógico, e cravo o pé de uma vez ! O Gti inicia mais uma de suas incríveis decolagens , é sessenta de primeira, pipoco na troca rapidíssima do DSG, vai a 98-100 de segunda , novo pipoco já bem menos audível, e na curtíssima reta , terceira embala tão rápido que chega a colocar quarta marcha. Não há destracionamentos nem vibrações. As marchas são trocadas pelo câmbio a cerca de 6.800 rpm , e o carro já chega a 155 na boca da curva fechada à esquerda , curva de 120 - 130 . Tiro o pé, toque rápido no freio e jogo o carro na curva a mais de 135 , batendo na borboleta para reduzir para terceira . Pelo barulho do motor vejo que a marcha pedida não veio e o câmbio continua em quarta marcha . Antes do meio da curva, dou kick down no acelerador para reduzir marcha e em em vez de vir potência, acende/pisca a luz amarela perto do 5 do conta-giros e como AINDA não estamos derrapando ,presumo que o diferencial eletrônico XDS que entrou em ação, freando a roda dianteira interna e capando por enquanto o motor. O carro se assenta na curva, já caímos para 130 e finalmente todos os cavalos entram em ação, puxando ferozmente o carro na saída de curva e reta acima afora. Decola de novo. Nisso ele é fera. Ficamos uma pouco chateados com essa intervenção da eletrônica, do DSG mesmo configurado em modo Sport não nos dar a marcha, e do Gti nacional não contar com um blocante de verdade, como a que eles entregam para a imprensa Europa na versão 230 Cv . Mais ao alto , há uma curva aberta em subida leve á direita, que costumamos entrar a milhão , mas dessa vez tiro o pé e poupo o Golf de nos dar nova decepção. Contorno com calma e logo estamos na curva fechada que dá início à reta de medição de velocidade máxima. E adivinhem quem está lá , no meio da curvinha ? Isso mesmo, o Fox 120 cv, que enquanto estávamos parados mostrou que devagar se vai o longe. Chegamos na curva, contornamos e antes da saída já cravo o pé no acelerador e o carro dispara reta afora. Dá a segunda carimbada do dia no pobre do Fox , que certamente só viu uma mancha cinza carbono passando ao lado . Pouco adiante do começo da reta tem uma leve guinada à esquerda , e carros muito bons chegam ali entre 180 e 190 , o Gti passa pelo local a 210, e vamos com cuidado no volante , colocando o carro mais no canto direito da pista e evitando uns bumps que tem a uns 50 cm pra dentro , dou uma espiada no passageiro, ele meio que se mexe no banco mas mantenho o pé cravado . Seguimos acelerando forte até que a 220 o Dsg engrena a quinta marcha . Pela primeira vez em aceleração plena, o motor dá uma sentida, afinal a quinta marcha é longa, é a última marcha real do carro. A sexta é overdrive. Mesmo caindo o engate a uns 4.800 rpm, o motor turbo sente a troca , mas passa de uns 5.000 rpm ele volta a baixar com vontade o velocímetro. Lá embaixo no fim da reta tem uma curva para a esquerda, e trato de tranquilizar o passageiro avisando :"olha, quando chegar a 232 eu vou frear o carro." O velocímetro indica exatos 235 quanto tiro o pé e entro com calma nos freios, em meio aos pequenos Bumps que tem antes do fim da reta. Novamente, o carro apresenta aquela sensação de " traseira leve " , ele quase não se mexe lateralmente, nem há mergulho da pesada frente , mas transmite uma sensação estranha e correções mínimas mas necessárias são feitas no volante. Outra coisa é que o carro tem assistente de frenagem de emergência, o BAS, e apesar de ter freado com moderação , para poder entrar babando na curva , o assistente entrou em ação ,aumentou a pressão de frenagem logo depois que coloquei o pé no freio, e tirou a modulação que vinha fazendo, o resultado é que depois que tirei o pé do pedal e entramos na curva, dei uma espiada no velocímetro , a risíveis 147 km/h e plantado no chão. Fazer o quê, no manual do carro diz claramente que se o assistente de frenagem entrar em ação, não pode tirar o pé do freio sob pena de ele descarregar o hidrovácuo, e eu que não ia pagar para ver, principalmente naquele local. O CARRO freou forte, deve ter piscado tudo que é LED atrás e minha idéia de iniciar na curva a uns 170, ver como o carro reagia, talvez reduzir quarta aos 5.000 que o DSG a concede , ficou na vontade , por excessos da eletronização utilizada . O carro adora zoar com o piloto. Jogo D no câmbio e coloco o carro em modo que ele engrene a sexta marcha. Na temperatura do óleo o motor do GTI , que tem um intercooler maior que os outros EA 888, apresenta 107 graus, mostrando que o motor sofre muito mais no morro que em outras situações, como acelerar até perto da velocidade máxima ( a 235 o carro ainda tinha um poder de aceleração ) . O carro é muito eletronizado , sempre para nossa máxima segurança e proteção da integridade dele , e isso tira um pouco de nossa diversão. Outra coisa que fica patente é que essas molas do GTI nacional , que deixam o carro com 1.44 m de altura e a 13 cm do chão, não copiam bem o piso em certos locais e também reagem mal sob transferência de peso. Como afinar uma suspensão é uma arte ,eu sem pestanejar , traria as molas originais do carro da Alemanha. Só molas, pois os amortecedores pareceram extremamente eficazes em qualquer condicão. Seguimos com o hatch gran turismo no mais absoluto conforto, o carro é um devorador nato de asfalto e dirigido tranquilo faz pensar que só vai pedir paradas para tanquear os 50 litros de gasolina . Aliás, no Gti o estepe provisório acrescenta um pouco mais de espaço na mala que os TSI, ou mesmo você pode subir o assoalho móvel para o degrau superior e colocar ali o tampão . Ou colocar um estepe idêntico aos de uso. Cabe. Volto o carro pra S e faço duas medicões de retomada 80-120 . Na primeira , venho normalmente a 80 e afundo o pé deixando o Dsg trabalhar até os 120 . Na segunda, já venho em M na marcha certa ( segunda) e cravo o pé e deixo o cambio trocar na rotação que ele escolher . Os resultados são ,respectivamente, 4.0 segundos e 3.85 segundos. Boas marcas ! Chegamos na última reta da pista e em vez de descer a reta sabugando o fim do acelerador e ver o mundo ao lado passar voando e borrado, vamos subir para a pista do patamar superior, onde tem uns barrações/ hangares , e testar para vocês uma outro recurso / brinquedo que o carro tem. Paro o carro em um lugar onde a granulação do asfalto é menos agressiva mas deve dar bom grip, baixo o teto solar, abro o mesmo uns 40 cm, dou uma checada na temperatura do óleo, 102 graus, está ótima, abro um pouco mais o vidro do meu lado e peço ao pasageiro para fazer o mesmo com o dele, confirmo o ASR em off segurando o botão por uns segundos , coloco o câmbio em Sport/M e ponho o pé esquerdo no freio . Pronto. Está tudo configurado para testarmos o Launch Control do carro. Ele vai arrancar para nós e vamos assistir de camarote, ou melhor, do banco do Gti. Vamos lá : com o pé no freio e o acelerador premido a fundo, o motor sobe o giro até aproximadamente 3.200 rpm e ali fica, num corte que não é sujo ,mas também não é de rotação estabilizada. Bup bup bup e solto de esgueio o pé do freio, o Gti primeiramente dá um salto pra frente, depois o pneu dianteiro do lado do passageiro começa a raspar o chão ( não canta) logo em seguida o EDS do diferencial breca essa roda , mais um pouquinho o carro se assenta todo no chão, a força excepcional do motor Gti aparece o o carro inicia mais uma de suas fulminantes decolagens, que são pura diversão , são a marca registrada do carro . Em poucas centenas de metros o Golf já está mais de 140 , aborto a decolagem , sorriso no rosto , e observo que o passageiro também gostou bastante da brincadeira. Diminuo a velocidade e dou por encerrado o teste dinâmico do carro. É mesmo bastante força, claro que muito mais que realmente seria necessário num carro de rua, mas há a grande vantagem de encher o porta malas, colocar 4 ocupantes no carro desfrutando do seu confortável interior e ainda sair por aí com direito a ultrapassagens seguras e fulminantes. Sobra ! O 0-100 do Launch , medido sobre a informação do velocímetro digital do carro, foi de 6,2 segundos . Levo o carro de volta para a garagem, e nos 500 metros finais enfrento um congestionamento na área central da cidade. O carro se comporta muito bem no tráfego lento mesmo no anda e pára , e no semáforo, o start stop tenta economizar um pouco da gasolina que gastaremos nesse passeio. Muito bem gasta. Não há vibrações nem calor excessivo , eletroventiladores quietos, o projeto desse carro é mesmo muito bom ao eliminar o calor de motor-cambio e freios. No carro da frente, o reflexo o farol diurno, são luzes de led que deixam o carro bem visível com consumo mínimo de energia elétrica . Entro na garagem, na verdade um salão espaçoso , paro o Golf GTI MK7 de lado , motor ligado e desfazendo as configurações mais bravas adotadas. Havia 2 avisos na central multimídia, fui olhar antes de limpar, um era aviso que o asr estava off, outro era aviso que o esc sport havia sido solicitado. O consumo do carro desde a partida,portanto no decorrer de todo o review, foi de praticamente 5 km/l , mais exatamente 4,975 km/l . Sozinho no carro, confirmo a total sensação de conforto. É com dor no coração que clico na tecla Start e desligo o Gti. Saio, dou uma observada geral no carro e ele está limpo, a frente apresenta poucos mosquitos coletados e apenas isso, os pneus não apresentam o que fizeram há pouco e os discos de freios, novinhos, mantém a coloração e polimento de superfície , área tocada pelas pastilhas limpa e polida. Afasto uns cinco metros, espio o bicho de última olhada, e da porta da garagem vem a constatação : " É, essa máquina é para casar... " TECNOMAX PARTE 3 DETALHES DO GOLF GTI E VÍDEOS SOBRE O CARRO A sopa de letrinhas que designa as funcões : ESC - controle de estabilidade ASR - controle de tração EDS - bloqueio do diferencial ( por freio ) XDS - bloqueio do diferencial para curvas , com atuação também no freio atrás em roda interna ( gira o carro) EBD - arruma a carga de frenagem mediante cargas em eixos e piso. BAS - auxílio do freio em frenagens identificadas como emergência, dá a máxima carga de frenagem. DLA - assistente de luz dinâmico ( faz tudo no farol para você)- não tem no gti básico AAC - controle adaptativo de distancia e velocidade, você pode desde seguir o carro da frente, distância regulável, até nem precisar de frear para evitar uma colisão traseira, ou colisão urbana. O carro tem emissor de laser, quadrado abaixo da placa - não tem no básico Velocidade máxima do carro : como apuramos aqui, a velocidade final do carro foi de 235 km/h contra 244 divulgados pela Volks. Depois do teste do GTI aqui, um evento na pista da Embraer, aeroporto, em Gavião Peixoto-SP , confirmou que o GTI passou pelo fim de duas milhas em 234.976 km/h . O GTI sabe quando entra em quinta ou sexta marcha, e recolhe cavalos, para poupar o motor/ turbo. Então, o carro dispõe de cerca de 270 cv na quarta marcha, e cerca de 220-230 na quinta e sexta marchas. Porisso o carro com piggy back deslancha tanto, são retiradas essas amarras de proteção. Mesmo assim, testamos , usando a lei da gravidade , a trava de velocidade do carro, o Golf GTI vai de quinta a 250 km/h , 5.700 rpm , bate-se sexta e ele manteve os 250 , motor puxando o carro a 4.500 rom. Isso é o máximo. Bloqueia em 250. Acerto de suspensão do carro : Nessa foto dá para notar umas características esportivas das suspensões do Golf : 1) Rodas dianteiras divergentes, abrem entre si . Isso leva a melhores características de estabilidade em linha reta e rapidez de inserção na entrada de curva. Assim também o carro anda melhor em piso molhado, abre melhor caminho na água. E se o carro está sob a tração do forte motor, elas tendem ao paralelismo, dando a máxima capacidade de tração dos pneus . 2) Câmber dianteiro negativo , e não muito. Quando a carroceria rola sob peso em uma curva, a tendência é a banda o pneu se torcer. Esse carro já trabalha com uma inclinação tal na roda que , quando a carroceria torce, essa inclinação dá aos pneus externos , os de apoio toda a área de contato na curva. Nisso também ajuda o cáster 3) Alto valor de cáster, praticamente 1/3 a mais que um carro não esportivo. Isso não dá para ver na foto, mas com cáster alto, o carro tem ótima estabilidade direcional nas retas, e ainda aumenta, à medida que aumenta o virar do volante, o valor real do câmber , ou seja, quanto mais fechada a curva, mais câmber o Golf vai ter e maior a chance do pneu manter toda sua banda no solo, forçando também menos sua carcaça lateralmente. 4) Rodas traseiras convergentes, ou seja elas apontam entre si alguns graus para o meio do carro. Na reta, funciona como um leme , apontadas entre si tendem a ir reto sempre, e nas curvas, sob o peso do carro, a tendência das rodas seria abrir, divergir da linha reta do carro, ocasionando possíveis saídas de traseira. Com as rodas convergentes do Golf, quando o carro entra forte em uma curva, a roda interna de apoio vai ficar no máximo reta com a linha do carro, seguindo portanto fielmente o pedido de traçado feito por você na roda dianteira. A cambagem também é negativa, mesmo efeito das rodas da frente em curva. Um diferencial do Golf GTI sobre alguns carros é que por ter suspensão traseira semi independente multilink, esses ângulos podem ser menores devido à maior precisão de trabalho da suspensão. E devido à barra estabilizadora bem esportiva, que une os dois lados da multilink, o câmber traseiro também pôde ter valores menores ,porque a torção da suspensão sob o efeito do peso é diminuída e a roda vai deitar menos . Adotadas todas essas medidas mecânicas na configuração e depois de de alinhamento, o carro pode ser usado sem moderação nas curvas , e dar grande velocidade em retas sem muito trabalho ao condutor , outra coisa que fica bem evidente no uso esportivo do carro é que os pneus não ficam com marcas de esfregamento excessivas, nem sobreaquecem. Desgastando menos, e torcendo menos , pode-se usar um tipo de pneu com borracha ainda mais aderente e aumentar todo o patamar de performance do carro. Vídeo Bônus : Passeio com o Golf Gti , foco no som do motor, desde o borbulhar do motor bravo em fase aspirada até o turbilhão de vento com o turbo em pressão total. Guincho de Michelin Pilot Primacy 3. Cortesia do LOKO . http://www.youtube.com/watch?v=76rs8Q98ypE Vídeo GTI Europa x GTI Pacote Performance : https://www.youtube.com/watch?v=t5jVPZUXOYM Este é o vídeo do GTI de linha, como o que vem para o Brasil, contra o GTI com o pacote performance, que custa lá na Eurpa cerca de 3.000 reais . O performance tem uma suspensão mais macia, e em ambos, quando forçaram tudo na frenagem, tiveram que corrigir o carro no volante. Lá, como aqui. Assistente de frenagem agindo : 1:47s / 2:00 s / 2:09 s GTI de linha 2:57s/ 3:16s/ 3.37s. GTI performance O piloto briga com o volante durante a brecada, igual em carro de competição. Abaixo, vídeo da Lap do GTI divulgado , notem o piloto Danilo Dirani tendo trabalho nas freadas, trabalha com o volante nas freadas , o assistente de frenagem breca forte e ele tem que ir no volante com sutis arrumadas, no local onde o asfalto estava " sujo " ( levemente molhado) , o carro inclusive andou quase de lado. https://www.youtube.com/watch?v=O9HPJSg6-Ms 57 s freada fim da reta oposta , em vez de volante reto tem que dar umas catadas 1:25s freada do laranjinha, com chicoteada de traseira 1:35s freada da entrada do esse do miolo 2:25s freada para junção, Dirani freia no osso e joga o carro na curva 2:39s (encoberto) fim de volta, freada pro esse do Senna https://www.youtube.com/watch?v=3_4DLrwrafQ Aqui, o fifth gear tenta , mais no fim do vídeo e já na pista , desequilibrar o carro de seus sistemas de segurança, como conseguiam com a certa permissividade do GTI mk6 . No mk7 , a eletrônica não permite mais uma provocação para o eixo traseiro. Perde-se uns décimos e alguma diversão, , mas o motorista tem sempre o controle do carro. Em 1:10 do vídeo, o piloto acessa um dos menu de regulagem de diversas funcões do carro. TECNOMAX OBS : Review feito com a colaboração do Loko Fotos estáticas : Autor e Loko Fotos dinâmicas : Web / YT Vídeo-Áudio estéreo da dinâmica do GTI : Loko Vídeos acessórios YT : Colaboração dos Integrantes Fórum Carros PARTE 4 PREPARAÇÃO DO GOLF GTI MK7 # Em breve #
  11. Novo Honda City Ou Novo Golf?

    Pessoal, Há 7 anos compro Corollas. Já foram 4 modelos diferentes, porém todos XEi. Tenho hoje um Corolla XEi 2.0 modelo 2011. O carro é fantastico, mas muito grande para mim (garagem, vagas na rua, nao uso mais a mala, etc). Quero então um carro de um porte menor, ou uma carroceria menor. Pensei então num Sedan menor ou num hatch medio. Sedan menor: Honda City EXL (faixa de R$ 68 mil) Hatch Medio: Novo Golf (faixa de R$ 80 mil) Qual destes 2 me atenderia melhor? Honda City tem boa revenda? É tão confiavel quanto o Golf?
  12. Golf GTI é um dos melhores esportivos do Brasil Hatch ostenta 220 cv de potência, mas peca no preço assim como a versão Highline Um carro que chegou para ser referência no segmento, assim podemos definir a sétima geração do Golf. Importado da Alemanha desde o final do ano passado, o Volkswagen chegou a liderar o segmento de hatches médios, e hoje está na segunda posição - o Golf emplacou 9.269 unidades contra 10.866 unidades do Focus no primeiro semestre de 2014, segundo dados da Fenabrave. Nós já havíamos andado na versão Highline durante o lançamento no ano passado — você pode ler o teste clicando aqui. Agora é a vez de conhecer mais a fundo a versão esportiva GTI, oferecida entre R$ 98.990 e R$ 135.720. Quer comparar um com o outro? Então assista ao vídeo produzido pelo WebMotors que coloca lada a lado as versões mais vendidas do hatch. Assista ao teste do WebMotors com os Golf Highline e GTI >https://www.youtube.com/watch?v=T8Mpu20gMqk&list=UUz2Bb7YdduN4x7qN9oFrJjQ O Golf GTI traz sob o capô um dos motores mais bem acertados da família TSI da Volkswagen. Trata-se do 2.0 turbo, que rende 220 cv de potência a 4.500 rpm e 35,7 kgfm de torque disponíveis logo a 1.500 rpm. É ele o principal responsável pelo desempenho tão empolgado do hatch médio. Segundo a Volkswagen, o GTI acelera de 0 a 100 km/h em apenas 6,5 segundos, tempo bastante relevante para um hatch, visto que números assim só eram atingidos há pouco tempo por cupês e esportivos genuínos. O hot hatch também traz a transmissão automatizada DSG, mas com apenas 6 marchas e não 7 como na versão Highline. A ideia é realmente focar na esportividade, que dá resultado. O câmbio oferece ainda a possibilidade de troca de marchas pela alavanca e também por borboletas atrás do volante, que tornam a missão de guiar o Golf GTI ainda mais divertida. Basta pisar fundo que o GTI responda com uma certa dose de violência, e das mais divertidas possíveis. Não é difícil grudar nos confortáveis bancos revestidos em couro, com direito a costura nas cores vermelhas. Há ainda pouquíssimas unidades importadas com revestimento xadrez nos bancos, muito comum na Europa e deixado de lado pela Volkswagen do Brasil. Mas nem só de motor é feito o Golf GTI. Para ter um desempenho bem diferente em relação à versão convencional, a montadora tratou de adotar nova suspensão e freios no esportivo. A suspensão é ligeiramente mais firme que a do Highline, e mais parecida com a do Fusca, outro modelo quase tão esportivo quanto o Golf GTI. Com isso, o Golf se torna muito mais firme nas curvas e um belo brinquedo para pegar a estrada. A contrapartida fica por conta do desconforto em alguns pontos da cidade, sobretudo os mais esburacados. Os ocupantes sentem bastante os impactos. Os freios, por sua vez, fazem um ótimo trabalho quando exigidos. Além da função visual, já que são maiores que os do Highline, eles tratam de “travar” muito bem o GTI. As diferenças visuais do GTI estão ainda no friso vermelho que passa sobre os faróis e a grade, além de para-choques e rodas com desenho diferente. O jogo de 17 polegadas calçadas com pneus 225/45 poderia ter um desenho mais agressivo, como no modelo vendido na Europa, que conta com opções de 18 e 19 polegadas. No geral, o Golf GTI repete alguns pecados cometidos pela versão Highline, como o menor porta-malas da categoria, com apenas 313 litros, e o alto preço das versões mais equipadas. Se oferece um bom custo/benefício na versão de entrada próxima dos R$ 99 mil, preço que a Honda cobrava pelo Civic Si, a Volkswagen exagera na dose da versão topo de linha, acima dos R$ 135 mil. Esta traz teto-solar, navegador com tela de 8 polegadas, sistema ACC que controla a distância entre outros carros da estrada, entre outros itens. A diversão, porém, é garantida. Fonte Webmotors: http://revista.webmotors.com.br/videos/golf-gti-e-um-dos-melhores-esportivos-do-brasil/201471719146688_1
×