Ir para conteúdo

Pódium


Popular Content

Showing content with the highest reputation since 13-11-2017 in all areas

  1. 7 points
    Senhores, como prometido, venho aqui para contar minha experiência na aquisição do meu segundo carro PCD! A princípio, minha única opção era o Corolla GLI tecido, tão comentado por sua revenda e baixo custo de manutenção!! A única certeza que eu tinha, é que jamais escolheria um carro francês, por sua grande desvalorização... Pois bem, consegui há alguns meses, minhas cartas para isenção dos impostos e para minha surpresa, o meu querido Corolla GLI estava com as vendas suspensas, pra não dizer cancelada! Tive que forçadamente procurar uma outra opção, já que eu não poderia mais contar com meu plano A... Resolvi seguir a dica de alguns membros do fórum e fui a uma concessionária Citroen pra conhecer o C4 Lounge! Acho que minha frustração por não ter conseguido comprar o Corolla, passou em 0,5 segundo!!! Que máquina, amiiiiiigos!!! O carro é um avião!!! Precisa ficar esperto pra não tomar multas com um carro desses! Você nem vê que está a 100km/h Aliás, o acabamento do Corolla nem se compara com o do C4! Digo isso porque fiz test drive nos dois modelos! VAMOS A PARTE MAIS IMPORTANTE DESSE TÓPICO QUE CRIEI... A NEGOCIAÇÃO!!! Outro ponto a favor da Citroen, foi o atendimento ao cliente! Vendedora super atenciosa e disposta a fazer a venda PCD! (Muito diferente da Toyota que só falta o vendedor falar pra você: -"Se quiser, é isso e pronto". GANHEI DE ACESSÓRIOS: * Emplacamento e licenciamento. * Bancos de couro * Sensor de estacionamento * Insul film comum (abri mão deste pra colocar a película anti-vandalismo) * Jogo de tapetes (carpete) Calculo aí por baixo, uma economia de uns R$ 4.000 só de acessórios + emplacamento e lecenciamento!!! ACESSÓRIOS QUE COLOQUEI * Multimídia Aikon S100 (não é lá muito moderna, mas tem tudo e O MAIS IMPORTANTE NÃO PERDE NENHUM DOS COMANDOS NO VOLANTE) R$ 1400,00 + R$ 200 da instalação * Luzes de led no farol baixo e no farol de neblina! Cor 6000 k (extremamente branca) e 8000 lumens de luminosidade (ilumina lá loooonge) R$ 150 o par (R$ 300 ao todo) * Pingo de led na lanterna R$ 100 o par (dá um efeito muito bonito quando usado com o day light que já vem de fábrica ao lado do farol de neblina). Recomendo as trocas das luzes originais por led! Dá outra cara pro carro!!! FICA SENSACIONAL! Facelift do carro em 2018 Ano que vem a Citroen vai fazer um facelift do C4 Lounge! (Na minha opinião, esteticamente eu prefiro esse modelo atual). Talvez por isso eles estejam dando tudo isso de acessórios na concessionária! Eu preferi comprar agora e pegar todos esses acessórios, do que esperar o ano que vem e de repente o C4 também sair das 2 isenções! Com relação ao consumo, ainda não posso dizer, pois peguei o carro ontem! Gostaria de agradecer á todos por contribuírem com informações e nos ajudar a escolher a melhor opção pra cada um! Desculpa aí pelas fotos mais ou menos... é que o limite é baixo pra postar, por isso mandei desse jeito! É isso aí galera, boa sorte á todos em suas escolhas
  2. 4 points
  3. 3 points
    bighouse

    Gente quero uma ajudinha aqui pf

    Claro! Será sim seu primeiro e último! Com certeza! Claro que não vai acelerar nas ruas. Claro que nunca terá risco de acontecer algo por sua culpa nas ruas, haja vista que você deve ser mais piloto do que TODOS os outros do mundo que já se acidentaram por culpa própria! Aliás, não sei o que faz você perder tempo conosco. A vaga do Massa tá em aberto esperando pilotos perfeitos como você! Já que é um post de piada, essa foi contribuição. #paz
  4. 3 points
    PHAER

    Corolla usado ou Prisma Novo/Seminovo?

    Se é o seu sonho ter um Corolla, vá em frente. Procure o menos rodado e em melhor condição possível, reserve uns 1500 a 2000 reais pra uma revisão assim que comprar, e boa. O Corolla é um bom carro, não tem complicações de manutenção, mas eu acho caro demais no Brasil pro que oferece como carro, novo ou usado, e pessoalmente eu não compraria. Mas se é o seu sonho, vá em frente, já que fonte de problema provavelmente não será e é infinitamente melhor que um Prisma!
  5. 3 points
    Respeito a sua colocação colega... Compreendo a sua preocupação com o q c diz respeito a segurança e tecnologia... Mas acredito q exista duas fatias no mercado d veículos... E é como tu mesmo exemplificou ao citar q "a maioria dos brasileiros não dão importância a esse respeito"... Acredito q seja a grande maioria mesmo... Particularmente também não dou a mínima pra estes opcionais d segurança... E não precisam me criticar apenas estou sendo sincero... Vejo comentários dos colegas a respeito do Latin Ncap... de tal modelo tem tantos air bags... d controle d tração e estabilidade... anticapotamento e tal... Então eu tenho a curiosidade d saber a q velocidade vcs andam? Eu não tenho uma grande experiência em trânsito, tenho 32 anos de idade, rodo uns 6, 7 mil km por ano, mas eu sempre tive carro, desde a maior idade, e nesta minha "experiência" nunca passei por uma situação q um controle de estabilidade fizesse diferença ou algo do tipo, nem mesmo o ABS embora esse sim o tenha como importante e "interessante"... Então não quero ser mal compreendido como um cara q não tá nem aí pra segurança e leva a vida "na flauta", mas não vejo tais itens como de fundamental importância na escolha d um modelo ou outro... Sou cuidadoso com o trânsito respeito a risca os limites d velocidade... compreendo q em uma situação qualquer d desviar algo em uma rodovia mesmo estando no limite da rodovia de 100/110 km/h um controle d estabilidade muda toda a situação mas a atenção e o cuidado do motorista também ajudam muito a evitar essas situações... Muitos não abrem mão do controle d estabilidade mas dirigem digitando no celular, prestando atenção no clip da multimídia, 150/170 km/h, daí tbm pouco adianta... Daí vira naquela história do cara q não bebe nada de álcool por que faz mal mas toma refrigerante... E é como tu citaste muitos e muitos não ligam, as pesquisas apontam q a maioria não utiliza o cinto d segurança... no banco traseiro menos ainda... Eu acredito q vou d Renegade tbm, embora a duster por 8,5 mil a menos tbm seja muito interessante no meu ponto d vista...
  6. 2 points
    Não tem essa teoria da conspiração. O que se precisa entender é a diferença real entre processo físico e digital. As vantagens do processo digital sobre o físico são as seguintes: Acesso, no seu PC, para visualizar tudo. No físico, se vc quiser olhar, vai no órgão e tira foto, e se entrar algo novo, volta lá e tira outra foto... Juntada de documentos: Escaneia o documento e junta. No físico, vai no órgão, pega uma senha, uma fila, protocola... Acervo: Um HD arquiva o que, no físico, ocuparia várias salas. Agora, achar que a tecnologia já avançou o suficiente para que o PC faça o serviço de análise de documentos, é sonhar com o futuro. Não tem jeito, a análise demora da mesma forma, pode agilizar um pouco, mas muito pouco, porque o servidor não vai precisar furar papel, numerar, juntar no processo... Procurar o processo no meio de centenas de outros... Mas o grosso do serviço é analisar a documentação juntada, e isso depende do número de servidores x volume de serviço. Não tem essa de 3 dias... vai demorar do mesmo jeito, e a tendência é demorar cada vez mais.
  7. 2 points
    Boa noite pessoal, fiz uma montagem com três gráficos, envolvendo os três segmentos principais de carros "comuns" (não incluí utilitários e picapes) no mercado americano em 2016. Você irá notar: - Entre os médios, dominado pelas marcas japonesas (Nissan se aproxima bastante de Honda e Toyota em reputação), a briga continua até os dias de hoje agressiva entre Accord e Camry (você notará como as vendas de ambos se aproximam dos irmãos menores respectivos Civic e Corolla), majoritariamente vendidos em versões quatro-cilindros. O Passat vendido lá é até hoje a mesma geração, a sexta. Em 2011 o carro foi "americanizado", passando a ser fabricado no próprio país (uma adaptação do Passat B7, vendido aqui no Brasil e Europa). A Volkswagen pelo jeito quer tentar agradar o "jeito americano" de se fazer carros... hoje o carro tem disponíveis motores 1,8 turbinado e 3,6 V6. É o único lugar do mundo onde ainda se fabrica um Passat V6 a gasolina. Provavelmente ainda vistos com sofisticação, os carros de marca alemã fazem maior sucesso no segmento de luxo; - Uma parte considerável dos Impala's, Charger's e Taurus são vendidos para frotas policiais (a carroceria recebe um "trato" para se adaptar ao serviço). O motivo? Espaçosos (tanto no banco de trás quanto no porta-malas), duráveis, confiáveis e de manutenção descomplicada. Os Ford Crown Victoria, muito usados também como carros de polícia (assim como táxis), passam facilmente de 700 mil Km sem surpresas (já saíram de linha), provavelmente os seus "semelhantes" devam chegar próximos; O Charger: Esse é o Impala de geração anterior usado como carro de frota, não encontrei da geração atual: O Taurus: - O Toyota iM é o Corolla em carroceria hatchback. Em um mercado onde hatchbacks têm poucas vendas? Sim. É importado do Japão; - Sim, Fiat's ainda são mal-vistos no mercado americano por serem vistos como carros com pouca confiabilidade... realmente não conhecem os carros de entrada da marca equipados com motores FIRE ao longo dos anos fora dos Estados Unidos... Espero que gostem! Deixe sua opinião abaixo!
  8. 2 points
    A postagem original pode ser conferida aqui (lá terão os respectivos links dos carros). Procurei fazer algumas adaptações para ficar o menos bagunçado possível. Deixe sua opinião e comentário abaixo! Guia de Compras Os Eleitos 2017: os carros mais amados pelos donos Com mais de 2 mil participações, pesquisa revela quais são os modelos que deixam seus donos felizes da vida Por Vitor Matsubara access_time8 dez 2017, 17h37 - Publicado em 8 dez 2017, 15h37 Up!, Kicks, Civic e Versa são os destaques em Os Eleitos 2017 (Reprodução/Quatro Rodas) Felicidade é essencial para qualquer relacionamento prosperar. E isso vale também quando escolhemos qual carro vamos comprar. Pensando nessa importante decisão é que QUATRO RODAS realiza há 17 anos a pesquisa Os Eleitos. Participaram do levantamento 2.349 clientes dos 45 veículos mais vendidos do país, que revelaram suas alegrias e tristezas sobre o modelo que escolheram. Dos automóveis elegíveis inicialmente, alguns não atingiram a amostragem mínima de entrevistas válidas. Sendo assim, a lista de concorrentes ficou restrita a 31 modelos. A edição deste ano teve um feito inédito: oito modelos alcançaram 100 pontos na nota final, indicando que eles superaram a expectativa de seus donos. São apenas eles, aliás, quem determinam o resultado de Os Eleitos. Não há interferência dos jornalistas de QUATRO RODAS no resultado final da estudo, que é realizado pela Pesquisa e Inteligência de Mercado da Abril Mídia. Além de conhecer quais modelos deixam seus donos mais satisfeitos, você descobrirá quais são as marcas preferidas no pós-venda e outros serviços de assistência técnica. Não vamos contar o fim do filme, mas tem muita surpresa por aí. COMO SE MEDE A FELICIDADE DO DONO Uma das razões que fazem Os Eleitos ser uma pesquisa diferente é seu critério de pontuação. Ele foi elaborado de maneira que se possam comparar modelos de segmentos distintos, analisando sempre o que o dono esperava e o que ele obteve depois da compra. Saiba como funciona: Satisfação / Expectativa = Índice de satisfação Índice acima de 100: o carro superou as expectativas Índice em 100: satisfação corresponde exatamente à expectativa que o dono tinha antes da compra Índice entre 100 e 80: expectativa foi razoavelmente atendida Índice abaixo de 80: o proprietário está insatisfeito Veja os 23 itens avaliados, divididos em nove categorias, que formam o índice: CUSTOS • Preço de revenda • Preço de compra • Preço de seguro • Preço de peças • Consumo urbano • Consumo rodoviário CONFIANÇA NA MARCA • Ser um fabricante confiável COBERTURA DA REDE • Ser um fabricante com ampla rede de concessionárias DESIGN / MODELO • Ser um projeto moderno • Design do carro DESEMPENHO • Rapidez no arranque SEGURANÇA • Estabilidade nas curvas • Transmitir segurança • Presença de itens de segurança DIRIGIBILIDADE • Facilidade de ultrapassagem • Oferecer boa visibilidade • Facilidade de acesso aos comandos CONFORTO • Acabamento interno • Baixo nível de ruído • Espaço interno • Espaço do porta-malas • Presença de equipamentos MANUTENÇÃO • Durabilidade/resistência das peças Além de empatar com o Fit em quatro títulos, o Civic faz com que a Honda se isole ainda mais como a maior campeã em Os Eleitos com oito vitórias (arquivo/Quatro Rodas) Levantar a taça não é novidade para o Civic. O quarto título do sedã como o Grande Campeão (quebra um jejum de três anos da Honda sem essa conquista) faz o Civic se igualar ao Fit, dono de quatro títulos seguidos entre 2004 e 2007. Agora a Honda acumula oito vitórias em 17 edições. A vitória deste ano, porém, só veio após uma briga ferrenha com o Chevrolet Cruze na categoria dos sedãs médios. Os sedãs não se saíram bem à toa: ambos foram renovados em 2016 e tiveram desempenhos parecidos na pesquisa deste ano. Deu Civic, por uma diferença de apenas 0,1 ponto (101,2 x 101,1). – Clique aqui para conferir os vencedores de todas as categorias da pesquisa Os Eleitos 2017 O modelo trouxe de volta a ousadia perdida na geração anterior. Além do design, o Civic ganhou um inédito motor 1.5 turbo de 173 cv, exclusividade da nova versão Touring. Abaixo dela ainda há as versões Sport, EX e EXL, todas equipadas com o motor 2.0 flex de 155 cv. Sua décima geração ficou 10 cm mais longa, 4 cm mais larga e ganhou 3 cm a mais de distância entre-eixos. Isso explica as ótimas notas em espaço do porta-malas (108,4) e espaço interno (108,1), as maiores entre todos os critérios. Dos 23 quesitos analisados, o Civic teve as melhores notas em 11 e superou as expectativas em 13 deles. Velocidade de arranque (107,1) e acesso aos comandos (105,4) renderam os maiores elogios. As poucas críticas recaíram sobre os custos, como preço de compra (88,4) e os valores das peças (93,9). Ser dono de Civic é uma alegria só. Mas não é barato. "Confortável, prazeroso de dirigir e lindo. É um carro excelente em todos os aspectos." Emerson Dornelles, Santa Maria (RS) Após vencer em 2015 junto com o Etios e ficar em segundo no ano passado, o Volkswagen Up! volta a ser campeão este ano Vencedor entre os hatches compactos, o Up! foi o 7° no ranking geral (Otavio Silveira/Quatro Rodas) 1° – Volkswagen Up!: 100,0 Finalmente chegou a vez do Up!. A consagração veio após três anos de disputa com o Etios, após o empate em 2015 e a vitória da Toyota por apenas 0,1 ponto no ano passado. O Up! teve dez notas acima de 100 (índice considerado ótimo) e foi o melhor em nove critérios, incluindo velocidade de arranque (110,1), design (107,9), espaço interno (105,7) e consumo na estrada (105,5). Mas nenhum deles surpreendeu tanto quanto espaço do porta-malas (114,4), a maior avaliação do hatch. O preço de compra (82,5) foi o pior da categoria, e valor das peças (89,9) e a durabilidade delas (92,1) também foram criticados. Renault Kwid e Fiat Mobi, seus dois principais concorrentes, não tiveram amostragem de proprietários suficiente para entrarem na pesquisa de 2017. Mas no ano que vem eles prometem esquentar a disputa. Pontuação no anterior: 99,6 Os elogios: Design Desempenho As críticas; Preço de compra Valor das peças Feito para quem prioriza desempenho e segurança. Lorena Mendonça, Belo Horizonte (MG) 2° – Toyota Etios: 99,0 Faltou pouco para o Etios conquistar o tricampeonato. O hatch foi o melhor em oito das 23 categorias e teve notas excelentes em velocidade de arranque (106,3), quantidade de revendas (104,8) e espaço interno (103,7). Alvo de críticas, o design (96,7) foi apontado como o pior do segmento. Preço de compra (88,1) e nível de ruído (90,3) também renderam críticas. Pontuação no anterior: 99,7 3° – Ford Ka: 96,0 O Ka repetiu a posição de 2016 sem o mesmo brilho do ano passado. Ainda assim, o hatch foi muito bem avaliado em espaço interno (105,5), design (105,3), acesso aos comandos (104,5) e velocidade de arranque (102,1). Os piores critérios foram preço das peças (84,7), durabilidade das peças (86,4), acabamento interno (88,0) e nível de ruído (89,0). Pontuação no anterior: 98,9 4° – Nissan March: 95,4 O campeão de 2012 sustentou a colocação do ano passado. Velocidade de arranque (103,7), acesso aos comandos (101,2) e design (100,5) mereceram elogios. Porém, ele foi o pior em quatro quesitos: preço das peças (84,2), tamanho do porta-malas (87,4), nível de ruído (88,9) e segurança transmitida (89,3). Pontuação no anterior: 97,2 4° – Hyundai HB20: 95,4 Empatado com o March, o HB20 está longe de ser o mesmo de 2014. Após o título daquele ano, ele despencou para o 3º lugar no ano seguinte, foi 5º em 2016 e 4º agora. Sua nota foi ainda menor neste ano, graças a problemas como o preço do seguro (82,3), o pior de todos. Design (102,5), porta-malas (102,1) e acesso aos comandos (100,9) ainda agradam aos donos. Pontuação no anterior: 97,1 6° – Chevrolet Onix: 92,5 Ser líder de vendas não significa ter os proprietários mais satisfeitos. O Onix supera a expectativa dos donos apenas em quantidade de revendas (103,3) e design (101,1). Mas seu desempenho está longe de agradar: ele ficou abaixo da média em 22 das 23 categorias. As principais queixas se referem a valor das peças (84,9) e preço de compra do carro (85,5). Pontuação no anterior: 97,1 Na pesquisa de satisfação dos proprietários, Peugeot 208 conquistou o bicampeonato, seguido pelo último campeão Fiesta, Sandero e Fox Peugeot 208 vence em 2017 após ter ficado de fora no ano passado (Otavio Silveira/Quatro Rodas) 1° – Peugeot 208: 100,0 O 208 é um fenômeno em Os Eleitos. Campeão em 2015, ele não se classificou ao ficar de fora dos 45 mais vendidos no ano passado. Agora, volta à pesquisa em grande estilo, arrebatando o bicampeonato. O francês superou a expectativa dos proprietários em nove quesitos, com destaque para o espaço do porta-malas (118,0), consumo rodoviário (106,8) e até mesmo espaço interno (104,9). Reclamações? Preço das peças (89,0), nível de ruído (90,9) e durabilidade das peças (91,6). Ano anterior: não participou Os elogios: Porta-malas Espaço interno Consumo As críticas: Custo das peças Nível de ruído Resistência das peças Design excelente, confortável, econômico e com desempenho acima do esperado. O interior é um pouco ruidoso. Jean Picolotto, Garibaldi (RS) 2° – Ford Fiesta: 94,9 Parece que o tempo não passa para os donos do Fiesta, vencedor entre os hatches compactos premium em 2016. O design (104,1) ainda é adorado, mesmo às vésperas de um facelift. Velocidade de arranque (103,2) e acesso aos comandos (102,1) também foram elogiados. Porém, ele é caro de manter, como indicam as notas de preços de peças (79,9), preço de compra (82,1), valor de revenda (87,0) e seguro (87,7). Pontuação no anterior: 96,7 3° – Renault Sandero: 94,7 O Sandero foi o melhor em apenas um quesito e o pior em oito. Seria um resultado desastroso se ele não ficasse na média – ou até acima dela – nas demais categorias. Sobram elogios para o tamanho do porta-malas (107,3), design (102,6) e espaço interno (100,1). Entre os problemas, destacam-se nível de ruído (82,7) e preço das peças (85,6). Pontuação no anterior: 95,5 4° VW Fox/CrossFox Faltou muito pouco para o Fox desbancar o Sandero do terceiro lugar. Acesso aos comandos (105,9) e velocidade de arranque (104,2) foram as maiores notas do Fox – e da categoria também. Espaço interno (101,4) foi outro item bem avaliado. Porém, preço de compra (80,4) e preço do seguro (85,2) tiveram as piores notas entre todos os hatches. Pontuação no anterior: 95,6 Hilux quebra a hegemonia da S10 no segmento das picapes médias e se consagra vencedora. Entre as leves, Saveiro fica à frente da rival Strada Entre as médias: vitória da Hilux. Já no duelo das leves quem levou a melhor foi a Saveiro (Otavio Silveira/Quatro Rodas) Ser líder no ranking de vendas nem sempre resulta em total satisfação dos proprietários. A Fiat Toro, por exemplo, é a picape mais vendida no país em 2017. Sua pontuação ficou em 95,4, superior à das picapes leves Saveiro e Strada, mas menos satisfatória que a das picapes médias Hilux e S10. Entre as leves, a Strada lidera em vendas, mas foi a Saveiro quem mais agradou os proprietários na pesquisa deste ano. PICAPES MÉDIAS 1° – Toyota Hilux: 97,2 A Hilux quebrou a sequência de vitórias da S10, mesmo perdendo dois pontos em relação a 2016. Espaço na caçamba (106,7) e velocidade de arranque (104,1) fazem a alegria dos donos da picape, que também apreciam a ergonomia dos comandos (100,0) e o design (99,3). Entre os pontos negativos, os proprietários ressaltaram preço das peças (87,3), estabilidade nas curvas (88,6) e consumo urbano (90,1). Pontuação no anterior: 99,2 Os elogios: Caçamba Desempenho Design As críticas: Preço das peças Estabilidade Consumo urbano 2° – Chevrolet S10: 96,8 É bom a GM começar a se preocupar com sua picape. Além de ter perdido o embalo das quatro vitórias seguidas, sua média foi a pior desde 2014. Seus donos não gostam do preço de seguro (88,9), valor das peças (89,7) e durabilidade das peças (91,7). Até sua maior nota não foi maior que a dos rivais: o espaço da caçamba (102,4) é pior do que o da Toro e Hilux. Pontuação no anterior: 101,02 3° – Fiat Toro: 95,4 Lançada em 2016, a Toro podia ter feito uma estreia melhor em Os Eleitos. Nove critérios foram avaliados como os melhores da categoria, incluindo espaço da caçamba (108,3), design (106,8), acesso aos comandos (103,1) e projeto moderno (102,9). Mas ainda há muito o que melhorar: a picape teve 12 notas vermelhas em critérios como consumo urbano (84,0), valor de compra (84,0) e preço das peças (84,3). Pontuação no anterior: não foi avaliada PICAPES LEVES 1° – Volkswagen Saveiro: 91,8 Derrotar o maior rival seria um motivo e tanto para a Volkswagen fazer festa. Mas é bom conter a empolgação. Além da falta de concorrentes, a baixa média de 91,8 deixou a Saveiro em um nada honroso 29º (e antepenúltimo) lugar do ranking geral. A ampla rede autorizada (102,3) puxou a fila dos elogios, seguida pelo espaço na caçamba (101,6) e design (99,3). Dos pontos negativos, destaque para preço das peças (78,2), nível de ruído (78,9) e custo do seguro (81,4). Pontuação no anterior: 96,7 Os elogios: Número de lojas Ampla caçamba Design As críticas: Preço das peças Nível de ruído Valor do seguro 2° – Fiat Strada: 91,3 A Strada merece respeito, pois já acumula quatro títulos em Os Eleitos. Mas nunca a picape teve um desempenho tão ruim como em 2017. Embora tenha ficado apenas 0,5 ponto atrás da Saveiro, ela não fez mais de 100 pontos em nenhum quesito e amargou a penúltima colocação geral. As maiores notas foram para design (99,2) e número de revendas (97,5). Nível de ruído (82,8), preço de compra (83,0) e acabamento interno (83,7) desagradam. Pontuação no anterior: 98,7 Até o polêmico design foi alvo de elogios para os proprietários vitorioso Versa. Prisma amargou a última colocação Nissan Versa conquista vitórias entre os sedãs compactos (Otavio Silveira/Quatro Rodas) Os japoneses seguem dominando Os Eleitos no segmento de sedãs compactos. Após estrear no ano passado com o vice-campeonato, o Nissan Versa superou o atual campeão Etios Sedan. O Toyota viu sua nota cair 0,1 ponto e teve de se contentar com o segundo lugar. Entre os outros participantes, o Cobalt viu sua nota aumentar, enquanto HB20S e e Prisma pioraram. Vamos conferir os resultados. 1° – Nissan Versa: 100,1 Quem não gosta do Versa adora criticar seu design. Mas seus proprietários acham justamente o contrário: sua nota (109,7) não só foi a maior da categoria como deixou todos os outros 31 veículos da pesquisa para trás. Dentro de seu segmento, o sedã foi o mais bem avaliado em outros oito critérios, incluindo velocidade de arranque (109,8), quantidade de concessionárias (104,6) e capacidade de ultrapassagem (102,6). Embora seja reconhecido como um dos modelos mais espaçosos do mercado, o Versa não levou as melhores notas em porta-malas (106,5) e espaço interno (103,7), apesar de bem altas. O mérito foi do HB20S e Etios. O sedã japonês repetiu a façanha do ano passado e não recebeu nenhuma “nota vermelha”. Mesmo os pontos negativos, como nível de ruído (91,1), preço das peças (91,6) e itens de segurança (92,3), não foram tão mal avaliados pelos donos. Pontuação no anterior: 97,7 Os elogios: Design Desempenho As críticas: Nível de ruído Preço das peças Carro excepcional, posição de dirigir perfeita e espaço interno gigante. Falta só uma central multimídia mais moderna. Celso Barbosa, Rio de Janeiro (RJ) 2° – Toyota Etios Sedan: 98,9 Não foi desta vez que o Etios Sedan levou o tricampeonato para casa. Mas não há motivos para lamentar: ele foi o melhor do grupo em nove quesitos. Seus donos adoram o porta-malas (104,6), o espaço interno (104,5) e a velocidade de arranque (103,4). Defeitos? Preço de compra (87,9) e acabamento interno (91,8). Pontuação no anterior: 99,0 3° – Chevrolet Cobalt: 97,0 Nada como um ano após o outro para o Cobalt. Em 2015, ele foi o pior em 11 dos 23 critérios. Ano passado, foram cinco. Agora o sedã conquistou três notas máximas e só recebeu a menor nota na capacidade do porta-malas (103,3), ainda assim alta. Velocidade de arranque (104,9) e acesso aos comandos (102,9) mereceram elogios. Maiores queixas: consumo urbano (84,4) e nível de ruído (91,1). Pontuação no anterior: 95,9 4° – Hyundai HB20S: 95,0 O resultado deste ano acende o sinal amarelo: trata-se do pior resultado do HB20S nos últimos três anos. Foram seis notas vermelhas, incluindo consumo urbano (81,7), preço do seguro (83,6), espaço interno (88,0) e segurança transmitida (88,1). Já porta-malas (108,5), acesso aos comandos (105,3) e velocidade de arranque (104,9) receberam elogios. Pontuação no anterior: 96,2 5° – Chevrolet Prisma: 93,2 Tirar a pior nota em 15 das 23 categorias é uma tragédia para qualquer modelo. Pois foi o que aconteceu com o Prisma. Preço de compra (83,1), preço das peças (85,2) e itens de segurança (85,7) foram os pontos mais criticados. Pelo menos o porta-malas (105,9) ainda agrada quem dirige o sedã. Pontuação no anterior: 95,3 Honda Civic supera Chevrolet Cruze por 0,1 ponto e garante a quarta vitória. Corolla e City completam a lista (arquivo/Quatro Rodas) A briga entre os sedãs médios é de longe a melhor. Se o Cruze tem vencido os últimos comparativos e o Corolla sobra no ranking de vendas, em Os Eleitos, deu Civic. Além de ganhar em seu segmento, o sedã da Honda foi o Grande Campeão desta edição, com a maior pontuação entre todos os modelos avaliados pelos proprietários. 1° – Honda Civic: 101,2 Acabou a sina de vice-campeão do Honda Civic. Após dois anos amargando o segundo lugar, o sedã finalmente venceu sua categoria. Mas quase o Cruze estragou a festa: a diferença entre ambos foi de apenas 0,1 ponto. Quem comprou um Civic está feliz da vida: a expectativa dos donos foi superada em 13 dos 23 critérios de avaliação. As maiores notas vieram de porta-malas (108,4), espaço interno (108,1) e velocidade de arranque (107,1). Já as críticas recaíram sobre preço de compra (88,4), custo das peças (93,9), equipamentos (95,4) e itens de segurança (95,4). Pontuação no anterior: 99,1 Os elogios: Desempenho Espaço interno Porta-malas As críticas: Preço de compra Custo das peças Equipamentos Espaçoso, silencioso e estável. Tem bom desempenho e baixo consumo. Vicente Ambrozio, São Bernardo do Campo (SP) 2° – Chevrolet Cruze: 101,1 Faltou pouco para o Cruze vencer Os Eleitos. O motor turbo rendeu a maior nota de velocidade de arranque (111,6) da pesquisa. Acesso aos comandos (108,7) e espaço interno (107,9) também agradam. Preço das peças (92,2), confiabilidade do fabricante (94,2) e resistência das peças (95,6) foram criticados. Mesmo sendo mal avaliado, o preço de compra (92,4) teve a melhor nota da categoria. Ano anterior: não foi avaliado 3° – Toyota Corolla: 98,8 O Corolla teve um desempenho ótimo, obtendo nove notas acima de 100. Só que os rivais foram superiores, inclusive em suas principais virtudes: velocidade de arranque (107,7), porta-malas (107,0) e design (105,0). Seus clientes ainda confiam na reputação da Toyota (99,8, a maior nota ao lado da Honda), mas preço de compra (84,3) e valor das peças (92,0) podem melhorar. Pontuação no anterior: 97,4 4° – Honda City: 96,8 Os sedãs médios formam o segmento mais qualificado (e disputado) de Os Eleitos. Isso faz com que até os últimos colocados tenham boas notas. O City (que alguns consideram um sedã compacto, apesar do preço mais próximo dos sedãs médios), foi o melhor em espaço do porta-malas (110,5), acesso aos comandos (108,8) e design (105,7). Assim como em 2016, o sedã repetiu as deficiências do Fit: preço de compra (81,4), nível de ruído (83,8) e preço das peças (86,2). Pontuação no anterior: 98,7 Os proprietários do segmento mais concorrido do país escolheram dois debutantes como vencedores: Nissan Kicks e Hyundai Creta Creta e Kicks estreiam em Os Eleitos com o título (Otavio Silveira/Quatro Rodas) O mercado de SUVs cresce cada vez mais no Brasil – bom para o consumidor que tem uma vasta lista de opções. Em Os Eleitos, além da vitória da dupla asiática Kicks e Creta, empatados no topo do pódio, a lista traz outras curiosidades. Vencedor da última edição, o Honda HR-V acabou em 4º, seguido pelo vice-campeão de 2016, o O Jeep Renegade. No terceiro lugar ficou outro estreante, o Jeep Compass, que também terminou a pesquisa acima dos 100 pontos – o que indica que ele superou as expectativas dos proprietários. 1° – Nissan Kicks e Hyundai Creta: 100,8 Esses dois modelos foram os últimos a estrear no mercado brasileiro e já dividem a vitória no segmento mais badalado do país. Dos 23 quesitos avaliados pelos donos de cinco modelos, o Hyundai Creta venceu em nove e o Kicks, em sete. Mas não importa apenas o total de melhores notas do grupo, mas a variação delas. O Kicks foi o mais bem avaliado em aspectos como velocidade de arranque (109,3), acesso aos comandos (109,7), design (108,9), itens de segurança (100,7), capacidade de ultrapassagem (99,7) e consumo rodoviário (105,1) e urbano (98,3). Mas seus donos criticaram espaço interno (102,7), preço de revenda (98,9) e durabilidade das peças (91,7). Já o Creta brilhou em porta-malas (107,5), espaço interno (107,2), visibilidade oferecida (107,1), preço do seguro (106,1), projeto moderno (102,6), confiabilidade do fabricante (98,7), durabilidade das peças (97,5), preço das peças (97,3) e valor de compra (96,3). Só dois fatores incomodam os donos do Hyundai – nos quais o Creta foi apontado como o pior de sua categoria: estabilidade nas curvas (99,1) e consumo urbano (80,0). Nissan Kicks Os elogios: Design Segurança Desempenho As críticas: Durabilidade das peças Espaço Preço de revenda O Kicks tem um belo design, bons equipamentos de segurança e ótimo consumo. Adriano Pilon, Tatuí (SP) Hyundai Creta Os elogios: Confiança na marca Espaço Valor de compra As críticas: Estabilidade Consumo urbano Moderno, estável, confortável e seguro. Estou totalmente satisfeito com meu Creta. Vila Velha (ES) 3° – Jeep Compass: 100,6 O Compass também estreou com o pneu direito. Ele ficou apenas 0,2 ponto atrás dos campeões, vencendo em preço de revenda (109,4), acabamento interno (105,0), nível de ruído (102,7), quantidade de concessionárias (102,0) e segurança transmitida (98,8). Consumo urbano (86,2) foi o item mais criticado, seguido de preço das peças (88,9) e confiabilidade do fabricante (94,5). Pontuação no anterior: não foi avaliado 4° – Honda HR-V: 97,7 A vida não está fácil para o campeão da categoria em 2016. Além de não vencer em nenhum critério, o HR-V foi o mais criticado em nove quesitos. As maiores reclamações recaíram sobre preço de compra (80,5), nível de ruído (89,1) e equipamentos (95,0). Design (104,4) ainda é sua principal virtude para os proprietários, seguido de porta-malas (103,8), espaço interno (102,9) e acesso aos comandos (102,3). Mesmo com pontuação superior à obtida no ano passado, o HR-V viu a concorrência satisfazer ainda mais seus donos. Pontuação no anterior: 97,1 5° – Jeep Renegade: 97,4 Não existe meio-termo para quem dirige um Renegade. Se equipamentos (99,9), estabilidade nas curvas (99,8) e segurança transmitida (98,8) receberam as melhores notas da categoria, o jipinho foi o modelo mais mal avaliado da categoria em nove critérios. Preço das peças (83,4), consumo urbano (90,1), confiabilidade do fabricante (90,4) e capacidade do porta-malas (90,8) foram os pontos mais criticados pelos proprietários. Apesar da evolução em relação ao ano passado, ele ainda precisa melhorar mais. Pontuação no anterior: 96,9 Toyota vence pela terceira vez em 17 anos. Volskswagen amarga a última posição Toyota é a melhor no ranking de assistência técnica (Reprodução/Internet) A vitória da Toyota foi esmagadora na pesquisa Os Eleitos 2017. A marca venceu sete dos nove critérios avaliados e teve a segunda melhor nota nos dois quesitos restantes, perdendo para Hyundai e Nissan no preço da mão de obra (único quesito no qual a Toyota ficou abaixo dos 90 pontos) e Honda na qualidade do atendimento. Mesmo assim, o terceiro título da fabricante japonesa veio com uma pequena vantagem de 1,2 ponto para a Honda (94,7 x 93,5), ainda soberana, com 11 conquistas em 17 edições. Vencedora inédita e surpreendente em 2016, a Hyundai fechou o pódio com uma média de 91,5. Na ponta de baixo, a VW caiu do 9º lugar de 2016 para a última posição. A Jeep foi quem mais evoluiu: passou da 11ª posição no ano passado para a 6ª em 2017. No geral, a satisfação dos clientes com as redes foi inferior à obtida em anos anteriores: em 2015, a Toyota venceu com nota 97,8, enquanto em 2016 a Hyundai faturou com 98,4 pontos. Pode ser um indício de que o serviço piorou – ou, mais provável, que o nível de exigência dos clientes aumentou. Ranking das fabricantes na opinião dos proprietários: 1° Toyota 94,7 2° Honda 93,5 3° Hyundai 91,5 4° Nissan 90,9 5° Chevrolet 90,6 6° Jeep 89,8 7° Fiat 86,9 8° Renault 86,6 9° Peugeot 85,9 10° Ford 85,8 11° Volkswagen 85,4 Os nove itens que formam a nota da assistência técnica: Disponibilidade de peças Prazo de realização do serviço Preço da mão de obra Assistência no pós-venda Qualidade de atendimento Pontualidade Transparência Relação custo-benefício na rede Qualidade do trabalho executado Ranking Geral – Os Eleitos 2017 1º Honda Civic 101,2 16º Chevrolet S10 96,8 2º Chevrolet Cruze 101,1 – Honda City 96,8 3º Nissan Kicks 100,8 18º Ford Ka 96,0 – Hyundai Creta 100,8 19º Nissan March 95,4 5º Jeep Compass 100,6 – Fiat Toro 95,4 6º Nissan Versa 100,1 – Honda Fit 95,4 7º Volkswagen Up! 100,0 – Hyundai HB20 95,4 – Peugeot 208 100,0 23º Hyundai HB20S 95,0 9º Toyota Etios hatch 99,0 24º Ford Fiesta 94,9 10º Toyota Etios sedã 98,9 25º Renault Sandero 94,7 11º Toyota Corolla 98,8 26º VW Fox / CrossFox 94,6 12º Honda HR-V 97,7 27º Chevrolet Prisma 93,2 13º Jeep Renegade 97,4 28º Chevrolet Onix 92,5 14º Toyota Hilux 97,2 29º VW Saveiro 91,8 15º Chevrolet Cobalt 97,0 30º Fiat Strada 91,3 31º Chevrolet Spin
  9. 2 points
    PHAER

    Qual eu compro?

    Eu não pegaria nem o Golf nem o C3. Procuraria um Polo 1.6, Punto 1.8 ou um Sandero 1.6, mais simples mas mais novo e menos rodado.
  10. 2 points
    Eu já dirigi os dois e achei o Creta no mesmo nível de desempenho do Captur e ambos um pouco (10%) melhores nas saídas que o Renegade. Já tive um bravo com o "mesmo motor" (ok, sem as melhorias), e sempre o achei bem amarrado mesmo, tinha que andar sempre forçando o motor pra ter um desempenho mínimo. Mas ainda achei o desempenho do Kicks o melhor de todos esses "SUV´s" disponíveis. O que pesa no Creta é a demora a mais do ICMS de SP, e o que pesa no Renegade é o porta-malas diminuto. Se alguém não tiver problema com nenhum dos dois fatos, ambos são boas opções, chamando a atenção tb a garantia do coreano. Mas por falar em Kicks, alguém tem notícias como está sendo o faturamento??? Alguém comentou por aqui que estavam com atrasos???
  11. 2 points
    Acho start stop péssimo de usar. Incomoda demais e o benefício em consumo é mínimo. Utilizei em alguns carros e até da C180 achei ruim. Sempre desligo essa porcaria de recurso inútil.
  12. 2 points
    Peguei o 408 thp 17/17. Desde julho com o carro. Até hoje me assusto com o motor. De resto, é um veículo. Me leva e me traz, não tenho entusiasmo com carros. Meu negócio é bicicleta. Mas as vezes não dá. Heheheh. Recomendo o 408. Espaçoso e confortável
  13. 2 points
    PHAER

    Carro divertido para guiar. 2008 THP

    O carro foi lançado há 2 anos e meio e o cara está vendendo a mais de 2 anos? Que vai ser mais fácil vender o Golf, sem dúvida.. mas o pior é que o 2008 é mais rápido na reta e foi mais rápido na pista do que o Golf! Barrichello testou ambos e esse resultado eu também não esperava. Anda muito sim esse 1.6 thp. Eu pessoalmente vejo o Golf num patamar superior do que o 2008, que pra completar é um crossover, quase suv, que não me agrada. Mais por isso, eu preferiria o Golf. No mais, essa geração dos Peugeot é pouco problemática, o motor thp é bem aceito mundialmente, e sendo MT, possibilidade eliminada de problema com câmbio. Mas cote o seguro. O do golf é sempre dos mais caros, mas não tenho base de quanto seria o do 2008.
  14. 2 points
    mongeee

    Sonic - Algo que desabone?

    Tá ganhando mais dinheiro que se investisse em bitcoin. Brincadeiras a parte, sorte que não se feriu. Vendo seu relato fica clara a importância em ter seguro. 40km/h e deu PT.
  15. 2 points
    Bill

    VW Up! TSI 2018

    Voltando aqui com uma análise comparativa com um carro que me chamou a atenção nas últimas semanas. Minha sogra comprou um Tiguan 1.4 esse mês, e aproveitando a ida na concessionária com ela (tanto na compra quanto na entrega), olhei o Polo Highline com calma, fiz test drive, etc. A vendedora sabendo que sou médico e vendo minha empolgação queria vender o carro, então me mostrou tudo lá, deixou guiar um bom trecho, etc. A parte de dinâmica do carro é muito boa. O chão é um misto de boa dirigibilidade e conforto, não sendo exatamente rígido, mas também não completamente mole. Em termos de curvas me pareceu muito estável, direção bem diretinha, bom comportamento e rolamento pequeno da carroceria. A posição de guiar é excelente, bem parecida com o Golf que tive. Comparativamente ao Up!, que é de uma categoria totalmente diferente, vejo no Polo uma grande vantagem em termos de dinâmica e dirigibilidade em curvas, como esperado pelo próprio desenho do veículo. Uma coisa que me pareceu mais neutra é exatamente a força do motor atrelada ao câmbio. O Polo me pareceu discretamente anestesiado em comparação com o Up!, acaba patinando um pouco para sair do lugar ou retomar velocidade. As trocas de marcha por borboleta até toleram bem reduções mais próximas do limite, mas existe um lag considerável e de certa forma incômodo. A sensação que tive é que o carro anda um pouco menos nas retas, embora contorne curvas de forma que o Up! nunca será capaz. Em termos estéticos do interior da cabine, acho o Polo bem resolvido, visual legal e tudo mais. Comparativamente, entretanto, o Polo usa materiais de qualidade aparentemente inferior, principalmente no painel. O material plástico brilhante e os encaixes são ótimos, mas o plástico acima e abaixo são ruins, bem como o do console central. A textura é rude, e parece mais com os carros VW Brasil (Gol, Fox, Voyage, Saveiro) do que um padrão visto no Up!, que usa um plástico de qualidade melhor no painel (inclusive a peça principal, que tem uma textura ótima). Um ponto elogiável é o isolamento acústico da cabine do Polo, muito bom pra categoria. Pelo que estão pedindo no Polo, nessa versão automática eu teria uma enorme resistência em investir. O câmbio não está exatamente redondo com o motor, embora bom, os acabamentos são inferiores ao que eu esperava, falta algum requinte que não encontrei. Tudo bem que o visor digital é legal, mas não compro carro somente por componentes eletrônicos. Nesse valor (75000) dá pra levar um Golf 1.0, que é melhor em todos os aspectos, só não sendo automático, e anda bem parecido com muito mais requinte de construção. Uma outra questão, já não relacionada ao Polo, mas sim diretamente ao Up!: por quê existe uma polêmica tão grande em relação ao pequeno TSI? Vejo o seguinte: quem gosta, geralmente acha um carrinho muito bom, quem não gosta tem ódio. Outro ponto é em relação ao visual, tem gente que acha simpático, tem gente que acha horrível, tem gente que acha lindo. Claro que tem uns molóides que compram Up! pra correr, o que pra mim é uma piada, mas não acho que isso justifica tanta polêmica. E mais... é caro? Com certeza! Mas qual carro é barato? Qual carro de entrada no Brasil é realmente bonito?? Eu sinceramente não vejo nenhum, nem amados como HB-20...
  16. 2 points
    Aqui em casa também é só satisfação com o 408. Já fizemos 7500km com ele desde setembro, com viagens pra de Florianópolis para Chapecó-SC (1200km ida e volta) e para Bertioga-SP(1600 km ida e volta) além de viagens mais curtas. Consumo acima de 15km/l em todas as viagens, sem andar com preocupação exagerada com economia. Aqui em Florianópolis, com trânsito intenso , mas muitas vias expressas, consigo fazer em torno de 10,5, até 11 km/l. Comportamento geral do carro em estrada é extremamente elogiável, suspensão firme e muito estável, absolutamente nada a reclamar. Só tomar cuidado pra não empolgar demais com o motor e tomar multas. Único defeito do carro é não ter uma abertura interna para o tanque de combustível. Entregar a chave pro frentista é um saco, mancada da Peugeot. Tivemos um probleminha com a sensibilidade exagerada do alarme, que disparava quando algum caminhão passava perto do carro, por exemplo e o vidro elétrico que as vezes (muito raramente) descia quando apertávamos pra subir, mas logo em seguida voltava ao normal, como se alguma coisa tivesse sido detectada pelo sensor anti-esmagamento - muito mais uma encheção de saco do que algo grave. A concessionária resolveu os dois problemas em um dia, com a troca da máquina do vidro em garantia e ainda entregou o carro lavado, encerado e com higienização interna feita. Isso que compramos o carro em Itajaí, em concessionária de outra rede, e fizemos o reparo em Florianópolis. Por enquanto só elogios ao pós-venda da Peugeot.
  17. 2 points
    Relato meu sobre Teste Drive Polo: Assim como muitos aqui estou na escolha de meu carro PCD, aproveitei o dia para ir conferir o novo Polo e tirar minhas próprias conclusões: - Confesso que não sou chegado nos design VW, para mim eles são muito conservadores, porém sou sempre muito aberto a tudo e jamais tiro conclusões facilmente. Ao chegar na concessionária, percebe-se o carro com entradas mais "robustas", porém isso para na 1 vista, logo se acostuma a olhar e ver que ele se apresenta mais largo sim, mas nada que se chame de interessante. A frente ficou até que bacana ao vivo e o carro tem uma harmonia por fora, porém nada do que já não tenhamos visto há uns 10 anos, no sentido de visual "cansado". Esperando que alguma cor pudesse transformar o carro, vi a branca, vermelha, prata e grafite e no meu gosto, ficou algo morno .. quase sem sal. Esse vermelho está feio, o branco com as mascaras negras ficam interessante, o prata é um GOL escrito e o grafite, em fotos ficou interessante, pessoalmente, não destaca. - Internamente na Confortline o carro se mostra agradável, porém na minha percepção, os jornalista mentem muito, na frente o carro não passa sensação de carro maior, aquele amplo espaço, pelo contrário, o painel é próximo, não acho ruim, aqui é questão de gosto de cada um, é interessante a estrutura da frente, mas novamente eu senti que ele passa pouca visibilidade por ter seu 1.75 de largura, ocorre do fato dele tentar passar um ar esportivo. Nos bancos traseiros, uma grande decepção com os jornalistas novamente, não com o carro, eu que tenho 1.80 e magro, senti que vão 2 adultos e uma criança, jamais 3 adultos com conforto. Espaço entre os bancos, eles chamaram de carro médio né, GRANDE BALELA, o espaço do Fox é mais interessante, tanto de largura quanto entre os bancos ( é só um exemplo, em vista do Fox ser alto e o Polo baixo). Existe um capricho da VW na montagem, porém é sem sal o habitáculo para um carro neste preço. Não me decepcionei com o carro, ele tem sua proposta, deve ser um bom carro, apenas como eu disse no começo, em questões estéticas a VW não me atrai em nada, a decepção veio sim da nossa mídia "especializada" todas compradas e sem vergonha, o carro não é nada do que eles estão "vendendo". A posição de guiar do polo, é bacana, mas eu não achei excelente, já dirigi carros com menores preços com melhores posições, mas para pessoas altas, o espaço para as pernas para quem dirigi é excelente. O carro é bem ágil, minimamente mais confortável que um fox G3. O material dos bancos nesta versão agrada também, porém sem ser algo que te surpreenda. As concessionárias VW do interior de SP ainda ta um pouco perdida para PCD, busquei informações em 3 e tá claro isso. Outra informação é que a fila de espera está grande, carro disponível para faturamento somente em Fevereiro. No meu gosto pessoal digo que é um bom carro, mas não para mais que 70 mil reais, tão pouco para PCD, porém cada um sabe o valor de seu dinheiro e gosto. Minha formação é Rádio e TV, logo eu sei como a mídia é extremamente manipulativa, principalmente esses jornalistas "especializados" em avaliações, muito do que dizem não confere no carro. Tirem suas próprias conclusões. Enfim, escrevi tudo isso apenas como uma troca de opiniões e não tentando provar algo ou persuadir alguém, carro é igual roupa, veste cada um em suas proporções e necessidades.
  18. 2 points
    bighouse

    Qual sedam para Família e UBER

    Já que vai rodar muito (Uber), procure o menos rodado possível. Eu recomendo um Cobalt. Carro de manutenção barata, com motor muito conhecido e vendido e com tamanho necessário para o que você deseja.
  19. 2 points
    Complementando as excelentes dicas do colega acima: Se desconfiares de alguma coisa, principalmente de motor e lataria, leve a um mecânico de confiança. Se o vendedor não aceitar ou se mostrar irritado, desconfie. Olhe no Detran os registros das multas e dos proprietários anteriores e por quais cidades o carro já passou. Eu, por exemplo, descobri que meu antigo carro já foi rebaixado olhando uma foto de uma multa de velocidade, onde deu pra ver ele socado no chão. Tem sites que te passam informações preciosas. Mas tem um pequeno custo, que acho que vale a pena investir. Por exemplo: https://www.carcheck.com.br/
  20. 2 points
    mongeee

    A3 2006 1.6 ou outro mais novo?

    Se consumo é importante pode riscar o vectra, principalmente o automático. Devido a idade do carro que você vai conseguir com esse valor, eu iria de carros simples e completos, tipo gol. Se quiser um carro um pouco melhor, o Astra é uma bela pedida, mas bebe um pouco também. Stilo não pegue com teto, pois aquilo é só dor de cabeça.
  21. 2 points
    Certamente o A3 tem todos os atributos que você deseja, porém vem carregado de possíveis dores de cabeça: Manutenção é caríssima e o seguro também é caro (isso se conseguir fazer). Nesta faixa de preço e Ano/modelo, te recomendaria a linha Vectra ou Astra. São carros bem consolidados e com bastante peça paralela no mercado caso você precise.
  22. 2 points
    Eu nem falo que os problemas que tiveram no meu carro (direção e suspensão) eram crônicos. Precisaria de alguma estatística confiável pra afirmar isso, pra não cair na boatologia que é boa parte das conversas sobre carro no BR há muito tempo. Pode sim ter acontecido em alguns casos no primeiro ou nos dois primeiros anos de fabricação, isto não é raro. O ponto que, aí sim, notei em todos os que dirigi, foi a falta de força de centralização da direção. Há situações onde ela não retorna pro centro sozinha como é normal, e o carro continua curvando. Mas o problema que teve no meu, só posso falar pela minha própria experiência, e de como não bateu com a fama de qualidade superior da Toyota. Pro meu pai foi uma grande decepção. Pra mim não foi, porque já era o que eu havia percebido: o maior diferencial da marca está no pós venda, que esse sim, foi muito bom. Agora, o que eu bato na tecla é quando discordo do senso comum que se formou sem embasamento nenhum desde que ele foi lançado: afirmar que "é feio mas é um puta carro, é um Toyota". É aí que eu discordo, é um carro pequeno feito pra mercados pouco exigentes como vários que existem no Brasil, com seus pontos positivos e negativos. Aliás, foi interessante porque ele conviveu na mesma época com outro carro simplório em casa: O Logan II 1.6 2014. A comparação foi bem proporcionada.
  23. 2 points
    Duster e Renegade, apesar de ambos serem SUVs, são de categorias diferentes. A Vantagem do Duster é justamente ser mais barato, enquanto o Renegade é melhor em qualquer comparação (acabamento, mecânica, segurança, etc, etc). Quem quer gastar menos fica com Duster, quem quer gastar mais fica com Renegade. Ninguém escolhe o Duster por ser melhor.
  24. 2 points
    Me desculpe mas na minha humilde opinião devo discordar destas observações. Concordo que se colocarmos em valores existe a vantagem do Duster, mas.... 1 - O Renegade possui suspensão independente nas quatro rodas, com isto é um dos modelos mais bem acertados para as crateras lunares que são as estradas, avenidas e ruas brasileiras; o Duster na traseira é eixo de torção. 2 - O Renegade possui freios a disco nas quatro rodas, o Duster é tambor na traseira. 3 - O Renegade possui uma plataforma moderna, tanto que é utilizada no Compass e Fiat toro, plataforma especifica para utilitários, enquanto a Duster usa uma plataforma antiquissima que é usada pela Dacia (subsidiaria Romena da Renault) para carros de baixo custo a mesma de Sandero, Logan, Nissan Livina e Captur; por isto do valor mais baixo da Duster e incompreensivel do alto valor da Captur brasileira que utiliza esta mesma plataforma. 4 - O Renegade possui nota maxina em segurança para condutor e passageiros avaliado pelo Latin Ncap, já o Duster....talvez este seja o item mais importante a ser avaliado, é uma pena que a maioria dos brasileiros não dão importância a este respeito, apenas vermos o lider de vendas no país o Onix da Chevrolet, que foi totalmente reprovado nos testes de segurança, mas é o líder de vendas.
  25. 2 points
    É basicamente o que eu comprei, mas o meu tem banco de couro, ano 2011.... Rodei apenas 3 dias com ele, pois parei pra revisar após a compra (troquei óleos e filtros) e agora no funileiro (tinha um amassado leve no paralama e mandei polir, gosto de carro no jeito). Por enquanto, a alegria foi aumentando a cada dia de uso. Quando estiver com ele no meu dia a dia de São Paulo, posto minhas impressões. Já percebi que há uma turma que ama Subaru de paixão (meu funileiro tentou comprar o carro de mim quando viu a km), e gente que não quer ver perto pois tem medo dos custos. E os dois estão certos...rs
  26. 2 points
    Fala Galera, boa noite! Como estão? Estava em viagem a trabalho, recebi um e-mail sobre o novo polo, com valores e itens... vale a pena dar uma conferida! Fui até a CSS conferir o carro pessoalmente, acabamento OK, trabalhei na montadora por 3 anos na área de AUDIT, auditoria e qualidade, então mesmo tendo saído a tempos, sei bem dos pontos críticos que devem ser observados, como revestimentos de porta, arremates nas borrachas dos vidros, fixação dos puxadores... e mais um monte de coisas, fiquei mais de 1 hora "namorando" o carro..kkkk Confesso que tenho uma queda por VW, olhei o modelo highline, porém, o indicado mesmo para PCD seria o Confortline, com o pacote de opcionais que tem como principal característica conforto e versatilidade na hora da condução, visando claro, a comodidade do sensor de chuva e a "mão na roda" que é o sistema eletrocrômico do retrovisor interno, tem muitos nomes essa tecnologia, porém eu diria anti-ofuscante! Gente no geral, o carro é bem bacana, deve um pouco em espaço interno, confesso que seria minha primeira opção analisando valores, e itens de conforto porém, nem tudo são flores, como estou ajudando minha noiva na escolha do carro, então a opinião dela é a que vai ter maior peso..kkk (ela quer espaço interno)... Vou disponibilizar a baixo, valores e as versões, só clicar no link e conferir, para os que são aqui do vale do paraíba, fica a dica, vendedora mega atenciosa, fui em São José dos Campos, fui atendido de maneira horrível, diferente da forma que me atenderam em taubaté! Breve, por tudo que tenho visto, teremos novidades e revira voltas! Continuo acompanhando, e sempre que possível lhes passarei opiniões...etc.. A só uma coisa, gostaria de saber um pouco sobre prazo de liberação das cartas(lembrando que moro no interior de SP)! É realmente necessário pegar um despachante? Estou pensando seriamente em tentar resolver tudo por mim mesmo, não digo por economia de valores, porém, não sei se realmente vale a pena pegar alguém para resolver isso, tenho receio de ficar engavetado...e tal.... Aguardo opiniões a respeito! .LINK 1 LINK 2 LINK 3 Abraços e até breve.
  27. 1 point
    PHAER

    Carro divertido para guiar. 2008 THP

    Já dão notícia que aparecerá em breve com o aisin de 6 marchas que estão colocando em toda a linha. Eu pessoalmente prefiro o manual kkk. Mas é fato de que o mercado hoje pede automático.
  28. 1 point
    Pelo que consta do site da Receita, ao menos o laudo pericial vc não terá de renovar, em tese: "A autoridade fiscal poderá dispensar a entrega do laudo de avaliação, desde que o beneficiário tenha comprovado, em aquisição anterior, ser portador de deficiência permanente. " Retirado daqui: http://idg.receita.fazenda.gov.br/orientacao/tributaria/isencoes/isencao-ipi-iof-pessoas-fisicas
  29. 1 point
    MM-94

    Nome de peça Stepway

    estribo é aquele se projeta para a lateral do carro facilitando o embarque em veículos mais altos. você coloca o pé e sobe no carro. no stepway é plástico e o nome é spoiler lateral, e pode ser para o lado direito ou esquerdo.
  30. 1 point
    Na creta não cheguei a andar mas o Renegade é meio lerdo mesmo... Acho q lerdo nem seria o termo correto, tu nota q ele tem força mas parece tão justo, parece q algo segura ele, não desenvolve, mas é bom, é um luxo, é top... A duster quem gostava d carros tipo o Santana antigo c acerta com ela... Sabe aquele carro soltinho pra anda, q tu pisa e responde na hora, tipo o uninho da fiat esses fire quadradinho, rapidinha pra cidade... Foi a impressão q tive o Renegade tudo muito justo silencioso mais pra viagens e a duster bem bem solta tipo um carro popular tu pisa parece q vai c arrebenta correndo mais adequada pra cidade e dia-dia
  31. 1 point
    Caro colega, mesmo com freio a tambor o Creta tem uma frenagem mais eficiente que o Renegade, coisa de 10 metros de 120 a 0 km/h, isso sem falar nas retomadas, onde o Creta também é superior, mesmo com motor menor, não estou aqui para ficar defendendo um carro ou outro devido a apelos emocionais dos donos, já vi que é proibido um carro ser melhor do que o outro em certos aspectos. Cada um tem o direito de pensar o que quiser sobre cada veículo, vou me limitar a lhe passar alguns textos para reflexão. http://bestcars.uol.com.br/bc/informe-se/noticias/se-freio-a-disco-e-melhor-por-que-picapes-usam-tambor/ http://www.formula.ufscar.br/blog/freios-a-disco-ou-a-tambor-diferencas-e-aplicacoes/ https://quatrorodas.abril.com.br/testes/comparativo-hyundai-creta-x-honda-hr-v-x-jeep-renegade/ https://quatrorodas.abril.com.br/testes/comparativo-ecosport-enfrenta-kicks-captur-e-creta/
  32. 1 point
    MIS

    VW revela todos os lançamentos até 2020

    VW revela todos os lançamentos até 2020 - https://motor1.uol.com.br/news/223502/volkswagen-lancamentos-2020-brasil/ Amarok A picape Amarok terá novidades. Nesta terça-feira (5), a marca está apresentado a versão com motor V6 diesel para a imprensa brasileira, e deve chegar às concessionárias em breve. É fabricada em Pacheco (Argentina) e que, em breve, será o único veículo a sair daquela linha de produção, pois a SpaceFox (lá chamada de Suran) deixará de ser fabricada. Quando isso acontecer, a VW começará a renovar o complexo para produzir carros com a plataforma modular MQB. Golf e Golf Variant Reestilizado na Europa, o Golf renovado chegará ao Brasil em 2018. Foi avistado diversas vezes em testes pelas ruas, inclusive nas versões Variant (perua) e GTI (esportiva). A marca trata o Variant como um carro separado, por ter uma carroceria diferente. Ganha mudanças discretas no para-choque, faróis e lanternas. O importante está do lado de dentro, que recebe novas tecnologias como o painel digital (oferecido como opcional no Polo), nova central multimídia e mais itens de segurança. Infelizmente, tudo indica que ficaremos sem o moderno 1.5 TSI com desativação de cilindro, mantendo o 1.4 TSI de 150 cv produzido em São Carlos (SP). Como importado, o Brasil terá ainda as versões híbrida GTE e elétrica e-Golf. Atlas No Salão de Frankfurt, executivos da VW já nos disseram que estudavam vender o enorme Atlas na América Latina. O SUV feito especialmente para o mercado norte-americano não é o mais luxuoso da fabricante, porém é o maior que já criaram, com capacidade para sete passageiros. Virá importado dos EUA. A dúvida é qual a motorização escolhida para cá. Pode ser o 2.0 turbo de 240 cv ou o 3.6 V6 de 280 cv. Saveiro NF Há tempos a imprensa fala sobre uma nova picape da Volkswagen, para peitar a Fiat Toro. Só que não será um modelo inédito, mas sim uma mudança para a Saveiro. A nova geração deixará de fazer parte da família Gol para se juntar à gama Polo. Com isso, adotará a plataforma MQB-A0 e ficará maior, para que possa ter cabine dupla com quatro portas (ao invés de uma cabine extra-estendida). Resta saber se a atual picape será mantida em versão específica para trabalho (Robust). Gol e Voyage AQ Em poucas palavras: é a despedida do Gol atual. Herbert Diess, CEO global da Volkswagen, disse recentemente que o compacto terá novidades em 2018 e era disso que ele falava. Tanto o hatch quanto o sedã Voyage terão uma atualização para mantê-los vivos no mercado por mais dois anos, possivelmente uma mexida em versões e conteúdos. A sigla AQ indica que deve receber o câmbio automático AQ-250-6F da Aisin, que conhecemos como Tiptronic, acoplado ao motor 1.6 8V. Gol A00 A verdadeira nova geração do Gol, que aparece nos planos da marca com o nome de A00. Irá trocar de plataforma e um dos caminhos é o uso de uma nova base, chamada MQB-A00, uma versão simplificada da MQB-A0 do Polo (que, por sua vez, é uma versão menor do MQB-A do Golf). Continuará a ser o carro de entrada da Volkswagen. Outro caminho é usar uma arquitetura baseada no up!. De qualquer forma, o novo Gol será o carrasco do Up!, modelo que tem destino incerto até mesmo na Europa, por não fechar a conta. Polo e Virtus GTS No lançamento do novo Polo, a Volkswagen já havia descartado a vinda do Polo GTI. E tem uma explicação. Ao invés de apostar na versão europeia, farão seu próprio modelo com pegada esportiva, usando o nome GTS. Não deram detalhes de como será esse carro, mas a aposta mais segura é que equipem tanto o hatch quanto o sedã com o motor 1.4 TSI de 150 cv do Golf, inexistente na linha de ambos. Esperamos que não seja uma mera versão enfeitada dos atuais 1.0 TSI. T-Cross A tão aguardada entrada da Volkswagen no segmento dos SUVs compactos já tem data para acontecer: 2º semestre de 2018. Será com o T-Cross, modelo baseado no novo Polo e que usa a mesma plataforma MQB-A0. Mostrado como conceito no Salão de SP em 2016, entrará na faixa de preço de Honda HR-V, Hyundai Creta, Jeep Renegade e Nissan Kicks, entre R$ 70 mil e R$ 100 mil, usando os mesmos motores que o Polo: 1.6 e 1.0 TSI. Tharu/Tarek Se você acompanha o Motor1.com, já sabe que a VW do Brasil descartou o T-Roc, SUV baseado no Golf, para investir em outro crossover, este sim de tamanho médio e que é chamado internamente de Tharu. Agora a marca fala que vai se chamar Tarek, o mesmo nome usado pelo primeiro protótipo da marca a competir no Rally Dakar. Será produzido na Argentina em meados de 2020, com a plataforma MQB, e irá competir com o Jeep Compass, com tamanho e construção semelhante ao do Skoda Karoq. Jetta NF A nova geração do Jetta será revelada no Salão de Detroit (EUA), em janeiro. Ela já apareceu na internet, em fotos que foram publicadas pela mídia mexicana. Ganha design inspirado no irmão maior Arteon e porte bem superior, para se distanciar do Virtus, que tem tamanho próximo ao da geração atual do Jetta. Além disso, ficará mais tecnológico, possivelmente com o painel digital da marca. Tiguan Sabemos que a nova geração do Tiguan virá ao Brasil. Até agora, falaram somente da versão Allspace, com capacidade para sete pessoas e que o modelo de cinco assentos não viria (para não brigar com o Tharu/Tarek). Porém, a apresentação feita pela VW Argentina cita o Tiguan sem falar sobre versões, gerando especulações sobre a chegada da linha completa do SUV. Passat PA Lançado em 2014, o VW Passat é o maior sedã que a marca vende no Brasil. Já está na hora de receber uma reestilização, que deve ser apresentada no Salão de Paris (França) do ano que vem. Detalhes ainda são escassos. Espere pela adoção de tecnologias semi-autônomas usadas pelo Audi A4, além da nova geração do painel digital e toques de design baseados no sedã Arteon. A0 CUV/T-Track Em 2012, a Volkswagen pensava em lançar um SUV compacto chamado Taigun, com a plataforma do Up!. Foi descartado por ser muito pequeno e a fabricante ficou sem um crossover. Agora este modelo volta aos planos, chamado A0 CUV, indicando o uso da plataforma MQB-A0 para produzir um modelo ainda menor do que o futuro T-Cross. Ficará logo abaixo em preços, o que pode colocá-lo na mesma faixa de preços de alguns SUVs mais baratos, como o Renault Duster.
  33. 1 point
    Muita coragem comprar um Creta com motor subdimensionado e sem ao menos rádio. Sobre a cobertura do porta malas, aí virou até humilhação. O mínimo da decência era manter igual ao que ofereciam antes de suspender as vendas.
  34. 1 point
    Amigo, resolvo seu problema com o Peugeot rapidinho... Compra uma tampa de combustível sem trava. Eu autopeças custa baratinho. Dai você não precisa mais dar a chave ao frentista. Fica susceptível a roubo, mas hoje ninguém consegue enfiar mangueira no tanque para retirar combustível, pois tem um filtro de proteção...
  35. 1 point
    Gersinho

    Vw Tiguan 2.0 TSI 4Motion

    top demais... acho que temos um Fontão versão 2.0, pé bem pesado! kkk @PHAER @KnoX @FONTÃO
  36. 1 point
    Eu tive um Sport diesel que foi furtado. Eu gostava bastante do motor e da economia. Mas sinceramente, depois que peguei o Golf quando o seguro finalmente me pagou, senti muita diferença na dirigibilidade. É totalmente diferente. Para quem gosta de andar mais forte, o renegade fica a desejar mesmo com controle de tração e estabilidade. Mas quem dirige mais tranquilo realmente deve dar preferência ao renegade que é ótimo em outros aspectos.
  37. 1 point
    Sr. Loucura

    Gente quero uma ajudinha aqui pf

    Cara, dá pra ver que você gosta bastante de carro e tem um sonho em ter um carro desses. Pelo texto que você escreveu, parece que você já está decidido. Eu particularmente faria diferente... eu teria inicialmente um carro simples, pro dia a dia. Aí com um salário melhor, compraria o carro dos sonhos como segundo carro, como um hobby. Um carro pra cuidar, levar pra track day, etc, com dinheiro suficiente no bolso pra não passar "apertos". Sobre os carros em si, eu não conheço muito então não vou opinar.
  38. 1 point
    l.marino

    VW Up! TSI 2018

    Eu lembraria também do bocal do tanque do combustível que precisa ser aberto com a chave, outra economia porca da VW. O volante não possui ajuste de profundidade, que faz falta, e quando se abaixa ele um pouco se tampa o velocímetro (acabo tendo de utilizar o velocímetro digital). No meu caso eu também tenho a reclamar dos pneus Champiro 228, que não são nem um pouco satisfatórios em frenagens ou na chuva.
  39. 1 point
    Bill

    VW Up! TSI 2018

    Voltei para compartilhar novidades dos 2400 km rodados. Me surpreendi com a qualidade de montagem das partes internas do carro. Até o momento, sem ruídos chatos vindos dos plásticos, seja do painel, seja das portas. Os bancos tem uma qualidade excelente pra categoria, com espuma densa, costura e qualidade do tecido que o recobre permanece como novo (tem carro que o tecido cede e fica frouxo no banco). A qualidade do plástico do painel é inclusive superior ao Polo Highline que olhei essa semana. As portas são o ponto fraco na montagem, e acredito que com o tempo poderá sim fazer algum barulhinho - por enquanto está zerado. Existe um tremor no vidro dianteiro quando em paralelepípedo, parece erro de projeto (já havia comentado antes sobre o ruído). Mecanicamente o carro está até melhor do que quando peguei. Retomadas ligeiramente mais esperto, acelera bem, freia melhor. Está com um ruído em frenagens de baixa velocidade que vem das pastilhas dianteiras - não atrapalha na frenagem, mas as vezes incomoda - imagino que seja da marca das pastilhas, já que o Golf fazia o exato barulho. Dinamicamente, não é ideal para nenhuma estripulia, mas faz curvas bem na estrada e passa bastante segurança até 110 km/h. A partir daí surgem ruídos aerodinâmicos nos retrovisores, ventos laterais incomodam, mas o carro não fica flutuando como caminhonetes. PS: Vejo uma galera comprando Up! como esportivo ou "carro pra correr". Não é. O acerto aerodinâmico do carro não é feito pra isso, nem a suspensão, nem o freio... Consumo não há do que reclamar. Subida de serra, com ida e volta, cerca de 350 km... 17,5 km/l. Incrível! Já cheguei a fazer 20 km/l numa estrada mais plana. Com mijolina a R$4,00, uma das melhores qualidades do carrinho. Abasteci o carro pouquíssimas vezes, e como tenho rodado pouco, vai permanecer assim. Um detalhe é que esse consumo tem batido com o que faço na bomba, cerca de 15 km/l. Intercorrências, por enquanto, nenhuma (exceto aperto no defletor abaixo do carro descrito em outra postagem). O que vejo no uso de dia a dia é frequentemente omitido pela mídia, mas também exacerbado pelos "experts da internet". Ponto a ponto, depois desses mais de 6 meses de uso... Positivos: - Mecanicamente o conjunto do carro é incrível. Não só é esperto, como energeticamente eficiente. Se souber dirigir com educação, sem aceleradas e rachas de semáforo, vai consumir pouco e ter um carrinho que anda como um 2.0. Além de motor e transmissão, a parte de suspensão é muito eficiente em deixar o pequenino mais estável do que o esperado pelo desenho do carro (alto e estreito). - Acabamento de várias partes surpreende. Verdade que existe lataria exposta em diversos pontos do carro, mas não tira o mérito de ter construção bem refinada para a categoria. As mudanças no painel de instrumentos são muito bem vindas, com visual bem superior ao anterior (ao meu ver). - O painel de instrumentos melhorou não somente em termos de design como também de utilização. O conta giros está no lugar correto, a leitura da velocidade em digital, bem como no próprio leitor é muito boa, computador de bordo mais que suficiente. - Espaço interno para um carro tão compacto é muito positivo... tive um Celta (primeiro carro), e não era incomum bater ombro com alguém sentado ao lado do carona (no caso pai e amigos). No Up! isso é diferente. Negativos: - Ausência de algumas conveniências como one-touch dos vidros dianteiros é bem estranho num carro desse valor. É o tipo de miséria porca que não faz muito sentido, vendo que o carrinho é um bocado caro nessa versão (TSI). A ausência de iluminação dos botões da porta também é uma economia que atrapalha muito no uso. O vidro traseiro a manivela não me incomoda, pois além de quase nunca ter sido aberto, ando com AC 100% do tempo. - Peça que segura o telefone é uma coisa que não me agrada nem um pouco, pois invade um pouco o ponto de visão na condução. Além disso, me pareceu o único ponto do painel propenso a barulhos. - Erro no projeto para acomodação do cinto dianteiro faz com que o mesmo acabe eventualmente batendo na coluna B. Chato. - Ao mesmo tempo que a transmissão em conjunto com o motor é uma das maiores qualidades do Up!, é um pouco estranho se acostumar com marchas tão longas em situações de ultrapassagem na estrada. Acaba que tem que usa-lo como um 4 marchas... ao invés de reduzir da 4 pra 3 e ter força total, as vezes tem que meter uma segunda. Numa saída de lombada as vezes é necessário engatar uma primeira, e pra não ter aquele tranco tem que queimar um pouco da embreagem. Mecanicamente foi o único relativo "problema" no uso prolongado. Acho que é isso...
  40. 1 point
    Gersinho

    A3 2006 1.6 ou outro mais novo?

    Discordo da manutenção do audi a3 1.6 ser cara, se fosse as versões turbo seriam mais caras, mas esse aspirado 1.6 é relativamente tranquilo de manter, obvio que é mais caro que um gol, mas é o mesmo valor de manutenção do stilo, sendo algumas coisas mais baratas e outras mais caras.. outra coisa o valor dele é 20k com esses 5k que sobra voce faz uma bela manutenção corretiva/preventiva nele.. De qualquer forma, se voce tem 25 mil, pague no maximo 22 mil em algum carro e reserve uns 3 mil pra manutenção. Se for de emoção, pega a audi ou stilo, se for na razão pegue um carro popular que a dor de cabeça pode ser menor..
  41. 1 point
    Tem que ver sobre o recesso de fim de ano dos órgãos federais. Sabe como é né, servidor público trabalha muito, quase 10 horas por mês.
  42. 1 point
    thiagomoises

    A3 2006 1.6 ou outro mais novo?

    Olá amigo, tinha a mesma dúvida q você, e estou vendo um Fiat Stilo. Consegue em modelo 2008, completo por 25000. Alem d ter manutenção e consumo menos q o A3, é mais novo e mais bonito (N meu ponto d vista)
  43. 1 point
    A fabrica não vai negociar opcionais fora da nota. Acessórios podem ser instalados na concessionária (após o carro ser faturado com isenções) e opcionais podem ser instalados de fábrica mas são tributados (no caso de carros na faixa dis 60 mil pode-se colocar 9 mil de opcionais por exemplo. No caso do carro de 69.990 não pode-se instalar mais nenhum item de fábrica, senão perde a isenção de icms.
  44. 1 point
    Auto-serviço Autodefesa: embreagem do Toyota Etios dura pouco, dizem donos Sistema antigo de embreagem utilizado no compacto chega a durar menos da metade do tempo em comparação com demais modelos da marca Por Waldez Carmo Amorim access_time15 nov 2017, 19h06 Priscila: “Parecia uma porta rangendo” (Alexandre Battibugli/Quatro Rodas) São comuns casos de embreagens que duram mais de 100.000 km no Corolla e até 200.000 km na Hilux. Pena que o mesmo não se aplica ao Etios, que segundo alguns proprietários mal chega a 50.000 km. A razão estaria na tecnologia empregada: enquanto os dois primeiros têm embreagem hidráulica, o compacto é equipado com o sistema por cabo. “No Etios, a Toyota voltou no tempo e passou a usar cabo de embreagem, fonte de reclamações, porque o cabo lasca, solta fios”, explica Hilton Vinicius Venzon, consultor técnico da Toyosul, oficina especializada em Toyota de Porto Alegre (RS). “Esse sistema não é usado nos outros modelos da marca desde 1993.” Quem sentiu na pele a baixa durabilidade da embreagem do Etios foi o aposentado José Luiz Mancilha, de Porto Alegre (RS). “Percebi o problema aos 30.000 km, porque o carro patinava muito nas arrancadas. Depois disso, só piorou. O pedal foi ficando muito duro e tive de trocar, o que me custou R$ 2.600”, conta o proprietário de um Etios XS 2013. Foi esse sintoma que indicou ao bancário Carlos Alberto Machado, de Fortaleza (CE), que a embreagem de seu Etios Sedan 2014 chegara ao fim. (Reprodução/Quatro Rodas) “Desde os 30.000 km eu me queixo à concessionária que a embreagem está dura. Na revisão dos 40.000 km, constataram que a peça precisava ser trocada. Como a garantia não cobria, tive de pagar o conserto”, diz Carlos. “Na internet, encontrei vários casos de carros com menos de 20.000 km com problemas na embreagem.” Outra característica comum é a trepidação do pedal e os ruídos em excesso no sistema, como relembra a jornalista Priscila Queiroz, de São Paulo (SP). “O barulho estava bem esquisito, parecia uma porta rangendo. Dava a sensação de que o cabo ia arrebentar. A autorizada disse que isso era comum acontecer”, afirma a proprietária de um Etios 2014. Procurada, a Toyota do Brasil respondeu que os veículos dos proprietários consultados na reportagem foram reparados sem custo. O POVO RECLAMA “Já troquei embreagens com menos de 30.000 km rodados.” Hilton Venzon, especialista em mecânica Toyota, Porto Alegre (RS) “Quando relatei os estalos nas arrancadas, a autorizada alegou que era problema de lubrificação. Quando o pedal começou a tremer, disseram que era desgaste da peça e que a garantia não cobria.” Francisco Garcia, representante, Curitiba (PR) “Por causa do problema da embreagem que patinava demais, preferi vender o carro.” Kazuyuki Fukamizu, engenheiro, São Paulo (SP) Caramba, que vergonha a embreagem desse carro... Acho que irei descartar a compra dele. Sei que pode aparecer ainda quem vai justificar ou falar que é exceção... (aqui eu creio que não mas no Reddit americano eu já peguei praticamente ódio do pessoal de lá, principalmente do subreddit /WhatCarShouldIBuy, vou poupar adjetivos indevidos aqui). Pode parecer até evidência anedótica (o que geralmente usam com outras marcas e modelos de carros) mas isso já me deixa cético quanto ao carro (vou sempre me lembrar do PHAER de quando ele precisou trocar a caixa de direção do carro que, fora da garantia, teria um custo considerável). E olhem que eu gosto da linha da marca, principalmente do Camry, só que eu tento não ser fanático por nenhuma marca ou modelo de carro. O link original pode ser conferido aqui. Deixe a sua opinião.
  45. 1 point
    neozera

    Corolla usado ou Prisma Novo/Seminovo?

    O Corolla e muito mais carro, mas leve em consideracao que o custo de manutencao, seguro etc sera maior, como esperad.para um carro de categoria superior. Nao sou admirado do corolla mas e um carro resistente confortave e bom de mercado. Pena que ate mesmo os usados tem seu preco meio inflacionado. Ja o prisma tem a mesma plataforma do onix (que tirou nota zero no tese de impacto lateral) mas e um carro mais barato de manter e com bom espaco interno (na minha opiniao). Se encontrasse um usado com preco justo iria de corolla.
  46. 1 point
    Não tem Etios no Japão, só na Índia e outros países do terceiro mundo.
  47. 1 point
    Se não vende na terra da matriz, desconfie.
  48. 1 point
    Subaru Forester ganha nova versão de entrada por R$ 118.900 - http://carplace.uol.com.br/subaru-forester-ganha-nova-versao-de-entrada-por-r-118-900/ Subaru Forester L Sem fazer alarde, a Subaru inicia no Brasil a comercialização de uma nova versão do SUV Forester. Posicionada como nova opção de entrada, a versão batizada de “L” perde alguns itens na comparação com as configurações Sport e Turbo, mas se diferencia exatamente pelo preço mais em conta. No site da marca, a novidade é anunciada pelo preço de R$ 118.900, precisamente R$ 25 mil a menos que o catálogo Sport (R$ 143.900) , o mais barato até então. De série, a nova versão oferece rodas de liga-leve de 18 polegadas, faróis bi-xenon direcionais, 6 airbags, controles eletrônicos de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa, faróis de neblina, ar-condicionado dual zone, direção elétrica e trio elétrico, além de sistema multimídia com tela de 7 polegadas, piloto automático, sensores de estacionamento, crepuscular e de chuva, câmera de ré e retrovisor eletrocrômico. Na comparação com a Sport, a lista deixa de lado itens como teto solar, bancos em couro, abertura elétrica da tampa do porta-malas, partida sem chave e paddle shifts. Sob o capô, o motor 2.0 boxer a gasolina rende 150 cv e vem sempre associado a uma transmissão automática do tipo CVT. A tração é integral do tipo S-AWD. A garantia de fábrica é de 5 anos. Preços Subaru Forester: L – R$ 118.990 Sport – R$ 143.900 XT Turbo – R$ 168.900
  49. 1 point
    Teria um desse no lugar de algo como um CR-V.
  50. 1 point
    matematico

    4 portas com ac ate 11k

    Clio Sedan Privilege 1.6 Carro completo e econômico. É possivel ate 2007 por esse preço. Procure em bom estado. É possível.
This leaderboard is set to São Paulo/GMT-02:00
×